Publicado em 24/01/2012 as 12:00am

Presidenciáveis adotam medidas duras contra imigrantes

Romney (d) durante debate ao lado de Rick Santorum

Pelo que tudo indica, o ano de 2012 será o ano da imigração ilegal, tanto em benefícios para imigrantes quanto aumento de leis que promoverão a perseguição. O assunto nunca esteve com tanta evidência nos debates políticos durante as prévias das eleições presidenciais dos Estados Unidos. Na semana passada, mais uma vez os republicanos Mitt Romney e Rick Santorum apresentaram suas posições rigorosas contra quem vive ilegalmente no país.

Na quinta-feira (19), os dois presidenciáveis do lado republicano afirmaram que ninguém deve ter o direito a receber legalização nos EUA. Durante um debate eles criticaram a posição do também republicano, Newt Gingrich, o qual é favorável a abrir um caminho para legalizar os imigrantes desde que se encaixem em algumas exigências.

A pergunta feita por um membro da plateia sobre o que eles pensavam sobre a posição do colega de partido que defende a legalização dos imigrantes gerou bastante polêmica. Santorum  disse que entende a dor de uma família que tem um pai de família ou até mesmo avô deportado por estar vivendo ilegalmente no país, mas que em momento algum é a favor de legaliza-lo.

Já o ex-governador de Massachusetts, Romney, disse que não iria ordenar a deportação dos milhões de imigrantes indocumentados, mas também defendeu sua posição de que jamais abriria um caminho para legalizar estas pessoas.

O assunto tem sido uma constante nos debates e constantemente os pré-candidatos têm sido abordados para apresentar suas posições sobre o assunto.  Gingrich alertou que falar duro contra a imigração ilegal pode trazer benefícios em estados considerados anti-imigrantes durante as prévias, mas que nas eleições “o tiro pode sair pela culatra”, haja vista que a maior parte do país é formada por estados que tem em seu histórico a defesa dos imigrantes.

Pode ser por isso que Romney iniciou uma campanha, e, língua espanhola, na Flórida onde ele não menciona nada sobre a imigração.

Fonte: (Texto por Luciano Sodré)