Publicado em 16/01/2013 as 12:00am

Lei de Imigração: Será que estamos quase lá?

Todo início de ano renovam-se as esperanças da aprovação de uma nova lei de imigração que beneficie a todos os indocumentados residentes nos Estados Unidos. Mas parece que neste ano de 2013 a confiança está muitas vezes maior do que em anos anteriores, is

Todo início de ano renovam-se as esperanças da aprovação de uma nova lei de imigração que beneficie a todos os indocumentados residentes nos Estados Unidos. Mas parece que neste ano de 2013 a confiança está muitas vezes maior do que em anos anteriores, isto se deve principalmente ao conjunto de fatores favoráveis que formam o cenário político do segundo mandato presidencial de Obama, além é claro da enorme pressão social que paira sobre o tema.

Muitos já desistiram

Todos conhecemos histórias de brasileiros que se cansaram de esperar por uma lei de legalização e já voltaram para o Brasil, desiludidos e decepcionados por não ter conseguido ficar legal nos EUA. Existem ainda muitos casos de outros que foram embora e já voltaram, e agora só vão de novo ao Brasil depois de documentados. Mas a grande maioria do brasileiros ainda está à espera de uma solução definitiva que coloque um ponto final nesta longa história que para alguns já dura há mais de 20 anos.

A pressão psicológica vivida por aqueles que ainda não conseguiram o green card é enorme, não só pela falta da tão necessária carteira de motorista, mas também por não poder ter o Social Security Card, e assim ter acesso ao crédito, empregos decentes e aos benefícios de todos os trabalhadores documentados.

Por falta de conseguirem se documentar, a maior parte investiu o dinheiro ganhado aqui no Brasil, uma vez que sempre existe o medo de ter que voltar de repente. Este investimento, muitas vezes administrado por familiares, nem sempre rende os devidos frutos, e não são poucos os casos de perdas consideráveis ocorridas nas mãos de pessoas que eram de confiança quando da mudança para cá, mas que mudaram seus pontos de vista e acham que ainda se ganha dinheiro fácil por aqui.

A grande realidade é que desistir de esperar a nova lei de imigração dá aquela sensação de que nadamos, nadamos e não chegamos na praia. Esperar foi, é, e está sendo difícil, mas desistir parece que é ainda pior.

Este dilema que assombra não só os indocumentados da comunidade brasileira, mas a todos os imigrantes das mais variadas etnias, parece que vai chegar ao fim em 2013, e parece que com um final feliz para todos aqueles que tiveram a paciência de esperar.

Cenário político mais do que favorável

A reeleição de Obama trouxe não só um alívio para os indocumentados, seu significado vai muito mais além do que apenas a renovação das esperanças.

Se por um lado os republicanos perderam mais uma eleição, eles agora sabem que precisam do voto do imigrante, principalmente dos latinos, senão não se elegerão nunca mais neste país. Os republicanos sabem que, independente de sua esfera de atuação, seja na presidência, no senado, na câmara, na governadoria, ou onde quer que precisem se eleger, se posicionar contra uma lei de imigração irá fazê-los perder votos importantes. Os republicanos saíram das últimas eleições conscientes de que não podem ser contra leis de imigração, tanto que no último debate presidencial o próprio concorrente derrotado Mitt Romney perguntou à Obama porque ele não havia proposto a lei de imigração nos primeiros dois anos de seu mandato, já que era uma promessa de campanha e ele tinha a maioria no senado e na câmara. Sem resposta, Obama desviou o assunto, mas ficou a cobrança, mais forte do que nunca.

Por outro lado, Obama aprovou um meio Dream act, medida que acalmou as pressões dos imigrantes, mas não resolveu o cerne da questão. Porém, não só Obama, mas todos os democratas sabem que uma lei de imigração é fundamental não só para o partido e para as eleições vindouras, mas sim para todo o país, já que a pressão social é muito grande e o momento político o ideal, mesmo que o governo não detenha a maioria nas duas casas.

A mídia americana de uma forma geral tem cobrado uma solução definitva para o problema da imigração, e a revista Time, em particular, dificilmente publica uma edição sem tocar no assunto, e o mote geral é de que não tem como não ser apresentada uma lei de imigração em breve.

Conquistas importantes

O Deferred Action for Childhood arrivals (DACA) de 15 de agosto do ano passado, beneficiou milhares de famílias, ao documentar a grande maioria dos jovens, abrindo portas não só para eles, mas uma esperança real para todos os integrantes da família em um futuro distante, algo que parece ruim, mas que é muito melhor do que antes, já que não existia nenhuma luz real no final do túnel.

Estes jovens, estão recebendo o Social Security Card e poderão ajudar toda a família na compra de imóveis e outros bens, aliviam e ajudam os pais com problemas para dirigir, e é claro, estão mais pertos do green card, o que vai poder beneficiar toda a família. Esta foi uma conquista concreta, que mesmo não sendo a ideal, ajudou bastante toda a comunidade.

Neste início de ano, a mudança nas regras para o perdão de quem entrou ilegalmente nos EUA, foi outra conquista importante e que também vai beneficiar milhares de brasileiros, que terão seu tempo de permanência no Brasil bastante reduzido, facilitando sua documentação e retorno aos Estados Unidos.

Estima-se que 12 milhões de indocumentados vivem nos EUA, e todas estas mudanças estão longe de beneficiar a todos, mas já é um passo significativo em direção à uma solução definitiva.

Ajudar é importante

Mesmo com o cenário político e social extremamente favorável, é preciso que as entidades organizadas e mesmo os indivíduos continuem a exercer pressão sobre a classe política por todos os meios disponíveis. É preciso ajudar através do envio de emails e cartas para os políticos, da participação em eventos que tratam da imigração e principalmente do apoio às entidades brasileiras já existentes e organizadas. Os brasileiros indocumentados tem que entender que é preciso fazer sua parte, e não ficar admirando os hispanos fazerem as deles.

A ampliação desta pressão popular poderá ser o catalisador que definirá a proposta da lei ainda em 2013.

Parafraseando o presidente Kennedy: Agora não é a hora de perguntar o que a imigração vai fazer pelos indocumentados, mas o que os indocumentados vão fazer pela imigração.

Quase lá

Por todos os ângulos que observarmos a problemática da imigração nos EUA, a urgência de uma lei que resolva definitivamente a questão não é mais uma utopia, mas sim uma realidade que está para acontecer a qualquer momento.

Todo este conjunto nos faz crer que estamos quase chegando lá, e que teremos ainda neste ano a proposição da tão sonhada lei que trará muita alegria para todos os imigrantes, mas que terá um sabor de vitória para toda a comunidade brasileira.

Fonte: Brazilian Times

Top News