Publicado em 7/05/2013 as 12:00am

A reforma imigratória vai trazer mais segurança para os EUA

Neste último domingo (05 de maio), em entrevista à rede CNN, o senador Dick Durbin, do partido democrata de Illinois, e um dos oito integrantes do senado americano que elaboraram a proposta de reforma imigratória (conhecidos como a "Gang dos 8"), defendeu

Da redação - ABTN


Depois do atentado terrorista em Boston, muitos conservadores começaram a alegar que era preciso rever a proposta de reforma imigratória, já que os responsáveis pelo atentado eram imigrantes com vistos de estudante inválidos, usando mais este argumento para poder atrapalhar o andamento do projeto de lei. Na entrevista, a jornalista Candy Crowley ponderou, que era inacreditável, ainda não ter havido a reforma do sistema de imigração, mais de 10 anos depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, e que os órgãos federais, principalmente a CIA e o FBI, deveriam apoiar esta reforma.

O sistema imigratório atual não funciona

Segundo o senador, os atentados somente demonstram que o sistema imigratório americano está quebrado, pois o país não conhece quem aqui vive, e com a reforma, os mais de 11 milhões de indocumentados, e portanto não reconhecidos pelo governo americano, passarão a fazer parte do banco de dados do país, e poderão ser checados, tanto aqui nos EUA, quanto em seus países de origem, além do contrôle mais rígido nas empresas, através da checagem do social, e também de um mais detalhado acompanhamento de todas as pessoas que entram no país, principalmente daquelas que vem com visto de trabalho e estudo. Tudo isto faz parte do projeto de lei, e portanto fará com que os Estados Unidos se torne mais seguro internamente, já que hoje não existe uma ação coordenada entre os órgão federais para acompanhar os visitantes no país. Durbin afirmou que o grupo dos oito ficou por mais de 3 meses discutindo não somente o projeto da reforma imigratória, mas também utilizar o projeto para transformar os EUA em um país mais seguro, não só na fronteira com o México, mas também nas outras portas de entrada, por isso, ele vê com incredulidade conservadores atacarem a reforma. Ainda segundo o senador, o projeto de reforma imigratória vai trazer benefícios para o país, que já deveriam ter acontecido há muito tempo atrás, e que este projeto é uma prioridade deste governo.

Imigrantes nos EUA

Mais de 40 milhões de imigrantes vivem nos EUA, o que representa algo em torno de 13% da população. Mais de 18 milhões são naturalizados cidadãos, 11 milhões são residentes permanentes ou temporários autorizados, e mais de 11 milhões vivem no país sem autorização (indocumentados), segundo dados da Pew Hispanic Center, uma organização privada de pesquisa.

O projeto de lei, chamado “Border Security, Economic Opportunity and Immigration Modernization Act of 2013” (Ato de 2013: Segurança de Fronteira, Oportunidade Econômica e Modernização da Imigração), tem 844 páginas, e começa a ter os primeiros votos na próxima quinta-feira no Comitê Judiciário do Senado, e ainda vai ser discutido no Congresso que deverá aprová-lo, com algumas modificações, ainda este ano. De qualquer forma, o presidente Barack Obama, já deixou claro, que tem um projeto alternativo, ou um plano B, se o Congresso não aprovar o projeto bi-partidário já apresentado.


Fonte: Brazilian Times