Publicado em 3/06/2013 as 12:00am

Reforma Imigratória pode ser votada dia 10 no Senado

Intenção dos democratas da Casa é ter projeto de lei aprovado antes do Dia da Independência, 4 de julho

da redação

Os planos do Senado são o de começar a trabalhar durante a semana do dia 10 de junho na legislação para revisar a lei de imigração dos EUA e criar um caminho para a cidadania para imigrantes indocumentados, disse um porta-voz do líder da maioria na Casa, Harry Reid.

O porta-voz Adam Jentleson comentou esta semana que os democratas primeiro querem completar o trabalho da legislação reautorizando os programas para agricultores quando o Senado retornar na próxima semana, após uma semana de descanso. Ele disse que a Câmara então apresentará a medida de imigração, que o Comitê Judiciário aprovou por 13 votos a 5 em 21 de maio.

A medida do Senado, de número S.744, procura alcançar um balanço para a abertura de portas para que 11 milhões de indocumentados consigam a cidadania americana, perseguida pelos democratas, assim como bastante melhorias de segurança na fronteira para satisfazer os republicanos. A medida inclui um acordo alcançado na semana passada entre os democratas e o senador republicano Orrin Hatch de Utah para vistos concedidos a trabalhadores estrangeiros altamente especializados.

"Gostaríamos de finalizar o projeto de lei da agricultura na próxima semana para que depois possamos mudar para o da imigração na semana de 10 de junho", comentou Jentleson. Ele disse que Reid, democrata de Nevada, "prefereria não esperar muito tempo mais" para começar a trabalhar no projeto de lei da imigração.

Os democratas do Senado querem passar a legislação de imigração antes de 4 de julho.

A última tentativa congressional para aprovar uma lei de imigração abrangente empacou em 2007. Os republicanos estão tentando reconectar-se com os hispânicos depois de o presidente Barack Obama ter ganho 71 por cento dos votos deste grupo em sua reeleição em novembro.

Jentleson assegurou que há "uma forte possibilidade" de que, durante os trabalhos para a lei de agricultura na semana que vem, a primeira emenda dos senadores pode considerar uma proposta para evitar a duplicação das taxas de juros para os empréstimos aos estudantes em 1º de julho.

A menos que o Congresso interceda, as taxas de juros para os empréstimos estudantis subirão para 6.8 por cento. Os democratas no Senado querem estender a taxa atual de 3.4 por cento para mais dois anos.

A Câmara de Deputados, controlado pelos republicanos, aprovou em 23 de maio um projeto de lei que condicionaria as novas taxas de juros dos empréstimos bancários para os rendimentos de 10 anos da nota do Tesouro Nacional, o que significaria taxas flutuantes. Também estabeleceria um teto máximo sobre estas taxas variáveis.

Fonte: Brazilian Times