Publicado em 4/09/2013 as 12:00am

Reforma Imigratória ainda tem dificuldades no Congresso

Reforma Imigratória ainda tem dificuldades no Congresso

da redação

O número de deputados republicanos favoráveis às reformas nas leis de imigração dos Estados Unidos ainda é pequeno, mas está crescendo. O problema é que eles querem dizer sim para o projeto, mas não aceitam a legalização dos mais de 11 milhões de imigrantes que vivem ilegalmente no país.

A maior parte dos deputados republicanos afirmam que as pessoas que cruzaram as fronteiras ilegalmente ou entraram com vista e passaram do período de permanência não devem ser beneficiados pela reforma. Eles se recusam apoiar um projeto que conceda cidadania para os indocumentados.

O que eles querem é permitir que os imigrantes recebam um “status” como trabalhador legal, mas somente isso. Os deputados não querem que o projeto evolua para uma legalização em massa. Mas os democratas rejeitam esta posição e isso poderá tornar mais difícil da reforma passar de maneira satisfatória pela Casa.

Os deputados retornarão do recesso parlamentar no dia 09 de setembro e nenhuma ação é esperada até o final de outubro. Isso porque os legisladores já deixaram claros que precisam tratar de assuntos fiscais que tem prazo para vencer.

O projeto original foi aprovado pelo Senado, que é controlado pelos Democratas, e cria um caminho para a cidadania que pode levar até 13 anos. Quando chegou à Casa, ele foi rejeitado pelos deputados, que prometeram escrever um texto diferente e abordando outros pontos, tais como a segurança na fronteira.

A crise que o país vive no momento, aliado à política e divergências do processo, esfriou o ânimo de alguns apoiadores do projeto. Mas eles ainda têm esperança, pois durante o mês de agosto, alguns republicanos deram indícios de que podem mudar a opinião e votar a favor da reforma que inclua a cidadania para os imigrantes.

Democratas , alguns republicanos e defensores de imigração estão pressionando a Casa para que passe um projeto que abra caminho relativamente simples para a cidadania, como foi o documento enviado pelo Senado.

O presidente do Comitê Judiciário da Câmara, Bob Goodlatte (R-Va), disse em uma recente reunião que a ideia é oferecer um “status” legal aos imigrantes, mas não abrir um caminho para a Cidadania. “Depois que ele passar por um período legal, poderá buscar caminhos para a naturalização”, continua, cintando a família ou laços empregatícios.

Fonte: Brazilian Times