Publicado em 21/10/2013 as 12:00am

Grupo quer telefonemas ao Congresso pela reforma imigratória

Grupo quer milhares de telefonemas ao Congresso pela reforma imigratória

Grupo da Califórnia lançou uma campanha de pressão à Câmara de Deputados para votar um plano abrangente

 

da redação

Onze mil de chamadas telefônicas, em 11 horas, em nome de 11 milhões de imigrantes indocumentados. Esta foi a premissa do “chamadão”, uma campanha de chamadas organizada pela Confederação de Federações Mexicanas (Cofem) para pedir a John Boehner, presidente da Câmara de Deputados, que permita ao Congresso votar por uma reforma imigratória.

Anabella Bastida, diretora executiva da Cofem explicou que algumas pessoas nunca haviam ligado para seus deputados e não sabiam como fazer isto, mas depois viram o quanto era fácil. Os interessados que não levaram seus celulares usaram telefones cedidos pela Cofem.

 

Mensagens em inglês

Os organizadores prepararam mensagens em inglês para aqueles que preferiram ler uma mensagem em inglês. Outros escolheram deixar suas mensagens em espanhol.

Bastida indicou que na verdade os indocumentados contam com os votos a favor de 200 democratas e 26 republicanos e só precisam de 218 votos para poder aprovar a reforma.

O senador Ricardo Lara destacou a importância de a comunidade se envolver no processo. “Alcançamos muitas vitórias, mas não foi por magia, mas, sim, pelo trabalho e apoio da comunidade”.

Aqueles que querem somar-se à campanha podem ligar para (202) 225-6205 e deixar uma mensagem pedindo que o Congresso vote pela reforma.

Muitas pessoas que nunca ligaram para seus deputados não sabem como fazer ou o que dizer ao ligar. Aqui está um guia em inglês (recomendado) preparado pela Cofem para a campanha.

Depois de ligar para (202)225-6205, você deve dizer “Hi, my name is (nome). I live in (cidade, estado). I’m calling to ask Congressman Boehner (Beiner) (foto) to allow Congress to vote on Immigration Reform. The will of the majority should not be stopped by a few. The time is now for Immigration Reform. Thank you!", explicou Cofem.

Fonte: Brazilian Times

Top News