Publicado em 6/11/2013 as 12:00am

Agentes do ICE focam em imigrantes com antecedentes criminais

imigrantes com antecedentes criminais

Apesar da possibilidade que uma reforma migratória possa ser avaliada pelo Congresso ainda este ano, as deportações continuam a todo vapor na região meio oeste dos Estados Unidos. Entretanto, é pouco provável que o assunto ocupe lugar de destaque na mídia como há muitos anos. Na década de 90, agentes do Departamento de Imigração (ICE) costumavam entrar em locais de trabalho, retirar dezenas de trabalhadores algemados e embarca-los em vários ônibus. "Houve um efeito colateral, as crianças foram deixadas para trás", disse Laurie Martinez, que trabalha com imigrantes através da Diocese Católica de Green Bay, em Wisconsin. "O ICE ainda realiza batidas, onde buscam por vários indivíduos, e geralmente ouvimos sobre isso uma semana depois de ocorrido, entretanto, você não ouve falar muito sobre eles irem atrás dos empregadores". "Agora, parece que eles estão focalizando em pessoas nas penitenciárias, no sistema carcerário", disse Martinez. As deportações e as chamadas batidas realizadas pelos agentes do ICE ainda são frequentes em todo o país, as numa abordagem mais silenciosa. Eles focalizam em indivíduos específicos ao invés de trabalhadores e locais de trabalho. Estes estrangeiros possuem antecedentes criminais ou burlaram leis migratórias no passado. A ação mais recente ocorreu no Condado de Brown (Wis.), em abril, quando o ICE pegou 44 detentos. Em 2008, o Congresso direcionou o ICE a mudar de foco e dedicar-se mais os imigrantes com antecedentes criminais, não simplesmente os indocumentados, segundo o órgão federal. O ICE informou que focaliza em imigrantes com antecedentes criminais e aqueles que representam perigo à segurança pública. A mudança de estratégia é evidente nos índices alcançados pelo órgão. Desde 2008, o número de imigrantes com antecedentes criminais deportados em todo o país aumentou 89%, enquanto o índice de estrangeiros "com a ficha limpa" caiu 29%. Ano passado, registros do ICE demonstram que o órgão deportou 409.849 pessoas, sendo 96% delas parte da definição de prioridade, que inclui criminosos, ameaça à segurança nacional e burladores constantes das leis migratórias. A região que inclui Wisconsin apresentou a mesma mudança de estratégia do órgão. Ano passado, o ICE deportou 10.296 imigrantes em Illinois, Indiana, Kansas, Kentucky, Missouri e Wisconsin. Quase dois terços desses imigrantes possuíam antecedentes criminais. Já em 2010, 10.346 estrangeiros foram deportados e 52% tinham antecedentes criminais. "Os nossos índices de remoção não estão classificados por condados ou sequer estados", disse Gail Montenegro, diretora de assuntos públicos do ICE na região de Chicago. "Os nossos índices abrangem toda a área dos seis estados". Geralmente, os indocumentados presos ou que são pegos em batidas são mantidos nas penitenciárias dos condados Dodge e Kenosha, Wisconsin, sendo que ambos possuem contratos com o ICE para manter e transportar imigrantes. Nessas prisões, os imigrantes possuem a oportunidade de argumentar contra a deportação perante um Tribunal Federal, ocasionalmente em Chicago. Os imigrantes que cometem crimes sérios e são condenados encaixam-se nesse critério e são tratados como "indivíduos de interesse" do órgão federal de imigração, disse a porta-voz Joy Saab. Depois que a pena é cumprida, eles são transferidos para as penitenciárias de Dodge e Kenosha para enfrentarem a deportação. Desde 2008, aproximadamente 391 imigrantes presos foram transferidos para a custódia do ICE nos condados de Dodge e Kenosha. Entre eles, 33 foram condenados nos tribunais do Condado de Brown.

Fonte: (da redação)