Publicado em 10/01/2014 as 12:00am

Republicanos fazem reunião para definir projeto da Reforma

Republicanos fazem reunião para definir projeto de Reforma

O porta-voz da Câmara dos Deputados, John A. Boehner, e sua liderança republicana estão se preparando para divulgar seus princípios para uma reforma das leis migratórias da nação no final de janeiro, disse ele a seus colegas de partido, durante uma conferência de portas fechadas realizada na quarta-feira (8). Embora os "padrões ou princípios básicos do documento", como Boehner se referiu à folha que segurava durante a reunião, já vem sendo formulados há um certo tempo, a sua iminente liberação reflete uma forte pressão na conferência republicana de avançar suas próprias propostas em contraste ao projeto de lei aprovado pelo Senado em junho do ano passado. Os republicanos da Câmara esperam poder divulgar seus princípios até o final do mês, antes do discurso do Presidente Obama à nação e do seu recesso anual. Anteriormente, auxiliares dos legisladores republicanos haviam dito ser pouco provável que sua liderança tomasse alguma decisão estratégica relacionada à imigração antes do recesso. Em junho, o Senado aprovou uma proposta bipartidária que visa a reforma ampla das leis migratórias, incluindo a possibilidade de legalização dos aproximados 11 milhões de imigrantes indocumentados que vivem no país. Entretanto, o projeto de lei encontrou inúmero obstáculos na Câmara dos Deputados, liderada por republicanos, onde alguns legisladores se opõem ferozmente à qualquer tipo de legalização, a qual eles consideram "anistia". Ao invés de uma reforma ampla, alguns republicanos preferem abordar o assunto "passo a passo", ou seja, através de várias emendas ao invés de um pacote. Durante o encontro de quarta-feira (8), Boehner garantiu à sua liderança que não planejava negociar com o Senado e utilizar como base a proposta aprovada em junho de 2013. "O porta-voz Boehner tem sido constantemente claro há algum tempo que ele apoia reformas passo a passo e sensatas para consertar o nosso sistema migratório ultrapassado", disse Michael Steel, porta-voz de Boehner. Rebecca Tallent, antiga conselheira sobre assuntos migratórios do Senador John McCain do Arizona, contratada recentemente por Boehner, tem liderado o esforço fora do escritório do porta-voz, trabalhando com legisladores republicanos importantes: Eric Cantor da Virgínia, o líder da maioria na Câmara, Mário Diaz Balart da Flórida, que vem pressionando para a votação de uma reforma migratória ampla, Bob W. Goodlatte da Virgínia, o chefe do Comitê Judiciário da Câmara, Paul D. Ryan de Wisconsin, ex-candidato à vice-presidência durante as eleições em 2012 e chefe do Comitê do Orçamento da Câmara. O objetivo da nova abordagem é fazer com que os republicanos queiram abordar o tema migratório ainda esse ano, assim como trocar ideias com os legisladores antes de lançar qualquer estratégia. Ativistas defensores dos imigrantes e democratas estarão observando de perto para avaliar a rigidez da segurança na fronteira e o cumprimento das leis e se a nova abordagem inclui qualquer menção à possibilidade de legalização dos indocumentados. Alguns republicanos da Câmara, incluindo Cantor e Goodlatte, têm demonstrado vontade em aprovar uma legislação que permita a legalização dos Dreamers, jovens indocumentados que foram trazidos aos EUA ainda na infância por seus pais. "As coisas continuam a parecer cada vez melhores para a reforma migratória e esperamos trabalhar com os republicanos para que algo seja feito", disse o Senador Charles E. Schumer, democrata de Nova York e um dos autores da proposta aprovada pelo Senado em junho de 2013. Os republicanos da Câmara que há muito tempo vêm pressionando para a aprovação de uma reforma ampla esperam que a nova proposta cubra todas as áreas sobre o aspecto migratório, disse um auxiliar que está trabalhando no assunto. O comunicado de Boehner foi divulgado ao mesmo tempo em que republicanos no Congresso se mobilizam para abordar o tema migratório ainda esse ano. Embora muitos dos republicanos líderes acreditam que o partido precisa aprovar qualquer tipo de lei migratória antes das eleições presidenciais de 2016, muitos de seus membros ainda relutam em abordar o assunto, que sofre forte oposição da ala conservadora. Entretanto, os republicanios enfrentam forte pressão de grupos de fora. Em seu discurso anual proferido na quarta-feira (8), Thomas J. Donohue, presidente e chefe executivo da Câmara do Comércio dos EUA, disse que o órgão irá "retirar todos os obstáculos", atuará junto aos sindicatos, entidades religiosas e autoridades para encorajar os republicanos da Câmara a votarem na proposta aprovada pelo Senado. "Agora, os puritanos lhe dirão que muito, muito difícil resolver tudo esse ano, pois, você não se lembra? É ano eleitoral", disse ele. "Nós esperamos mudar essa percepção ao tornar as próximas eleições em um motivo para mudança. Ela é baseada em uma teoria simples: Se você não consegue fazê-los ver a luz, então, pelo menos faça-os sentir o calor". Donohue considerou a reforma migratória uma parte importante da expansão de empregos e carreiras no século 21. "Por que? Porque através da história, os imigrantes trouxeram inovação, ideias e investimentos à economia americana e, em termos demográficos, nós precisamos da imigração", disse ele. Ele também frisou que, embora seja politicamente difícil, a reforma migratória parece ser uma área na qual o Congresso atual emperrou, entretanto, existe a possibilidade de chegar a um acordo e aprovar uma lei. "Eu acho que democratas e republicanos gostariam de voltar para casa e concorrer ao cargo com algo importante que eles tenham conquistado", disse Donohue. "Eu acredito que estamos há dois terços do caminho".

Fonte: (da redação)