Publicado em 31/01/2014 as 12:00am

Republicanos admitem concordar com legalização

Republicanos lançam documento concordando em oferecer a legalização dos imigrantes

Após muita resistência para aprovar um projeto de reforma que inclua um caminho para a cidadania de milhões de imigrantes, deputados republicanos finalmente acionam para uma possiblidade de legalização completa, durante negociações de um novo projeto. Durante uma reunião anual dos republicanos em Maryland realizado na última semana, foi divulgado um documento no qual a possibilidade de oferecer um caminho para a cidadania foi citado como um eventual ponto de acordo entre democratas e republicanos na resolução do problema. A decisão porém não viria de graça para os imigrantes. Os requerimentos para verificação de histórico criminal, pagamento de multas, domínio da língua inglesa e de história dos EUA, e impostos atrasados continuariam na pauta do projeto. Como adendo para o projeto, imigrantes teriam que provar que eles não seriam suscetíveis a utilizar o sistema de assistência social do país. Outro aspecto que pode dificultar a legalização é a insistência dos deputados republicanos em fortalecer a fronteira, antes de seguir com os processos de legalização. "Nada disso pode acontecer sem que a gente implemente alguns elementos de segurança da fronteira" afirma o documento. Um dos maiores ativistas pró-imigração dentro do congresso federal, o senador Chuck Schumer, D-N.Y., afirmou que o documento divulgado pelo partido republicano pode significar um avanço nas negociações na Câmara dos Deputados. "Enquanto nós (democratas) não concordamos com tudo que o documento propõe, se configura como um primeiro passo para que democratas e republicanos se unam para firmar um acordo" afirmou o senador. O porta-voz da Cãmara dos Deputados, John Boehner, afirmou ao canal de TV Fox News, que a proposta divulgada é o máximo que os republicanos estão dispostos a concender na execução do projeto. " Eu sempre deixeiclaro que eu me oponho a qualquer anistia completa, como a que foi aprovada pelo Senado recentemente. Vamos priorizar um projeto que ofereça um caminho compreensivo e pautado pelo bom senso para que possamos respeitar as leis desse país" afirmou Boehner.

Fonte: (da redação)