Publicado em 30/06/2014 as 12:00am

Ativistas realizam marcha pró-imigrante em Boston (MA)

Eles levavam faixas e gritavam em coro que o Governo está quebrando as famílias

Da redação

Um grupo de 50 pessoas marchou pelo centro de Boston (Massachusetts) no sábado (28), para protestar contra o impasse atual sobre a reforma nas leis de imigração. Alguns dos manifestantes usavam camisas de cor laranja e algemas de plástico em torno de seus tornozelos e nos pulsos, em solidariedade aos imigrantes presos.

Esta é uma das várias manifestações que estão ocorrem em todos os Estados Unidos no final de semana e conforme os organizadores explicam, o objetivo é mostrar que o Governo continua “destruindo milhares de famílias em Massachusetts e em outros estados”, ao deportar imigrantes que não tem registros criminais.

Outra questão que este manifesto levantou foi que as políticas ineficientes de imigração estão causando o que o presidente Barack Obama chamou de “crise humanitária” na fronteira com o México. Isso porque dezenas de milhares de crianças, a maioria da América Central, fizeram a perigosa travessia para os EUA sozinhas.

Cristina Aguilera, diretora de organização da Massachusetts Immigrant & Refugee Advocacy Coalition (MIRA), disse que “o principal objetivo é parar a separação das famílias”. Ela liderou a marcha e ressaltou que aprovar o Trust Act em Massachusetts deve ser uma prioridade do Governo.

Durante o manifesto, os pais andavam ao lado de seus filhos e empurrando carrinhos de bebês. Eles caminhavam pela Boston Common e gritavam: “Ei, Obama, não deporte minha mãe”. Durante o trajeto, os manifestantes foram recebidos com sorrisos dos transeuntes, em sinal de apoio.

O grupo parou em frente à State House por alguns minutos e gritavam que tinham vergonha dos legisladores. “Sim, os políticos federais não estão fazendo o seu trabalho, mas vocês também não estão fazendo nada”, gritava Aguilera usando um megafone.

A maior revolta destes manifestantes, no entanto, era que na semana passada, um projeto de lei que concederia carteira de motorista para imigrantes indocumentados foi rejeitado pelos legisladores do estado. Já o Trust Act, que reduziria o poder de aplicação das leis de imigração e evitaria que bons imigrantes sejam entregues para a imigração por pequenos delitos, está pendente na State House.

O prefeito de Boston, Martin Walsh, afirmou na semana passada que está disposto a assinar uma legislação semelhante em sua cidade. Assim, o município entrará para o grupo que está passando suas próprias reformas diante do maramos dos legisladores federais.

Os manifestantes também recordaram as promessas que não foram cumpridas em torno de um projeto de Reforma Imigratória. A brasileira Samantha Almeida, 31 anos, que chegou aos Estados Unidos quando tinha 16 anos, não conseguiu aplicar para o Deferred Act, devido à idade. “Eu tenho medo de dirigir e frequentar uma faculdade é muito caro”, disse ela.

Carlos Arredondo, um ativista que ganhou reconhecimento nacional após ser fotografado ajudando vítimas da explosão do atentado na Boston Marathon, marchou ao lado de sua esposa, Melida. Ele, um cidadão dos EUA que emigrou da Costa Rica, disse que participou deste manifesto pelas famílias separadas e crianças que atravessam a fronteira. "Nós sabemos o que é ser um imigrante", disse ele.

Fonte: Brazilian Times