Publicado em 5/12/2014 as 12:00am

Imigrantes em MA buscam detalhes sobre Ordem Executiva

Ativistas alertam para a importância de procurar um bom profissional, pois quem aplicar e não for aprovado, poderá ser colocado como prioridade para deportação

Em Massachusetts, os imigrantes estão ávidos por detalhes sobre a Ordem Executiva e procuram respostas para suas perguntas em todos os lugares: igrejas organizações comunitárias, palestras e até no Boston City Hall. A ação de Obama permite que cerca de cinco milhões de imigrantes possam aplicar para “work permiti” e “residente permit” temporário.

Os ativistas estão orientando as pessoas para esperar até as regras serem definidas e divulgadas pelos órgãos governamentais. A grande preocupação das autoridades são os aproveitadores que podem se apresentar como notários públicos e especialistas em leis de imigração. "Não há nada a preencher no momento", disse Laura Rotolo, advogada da American Civil Liberties Union of Massachusetts.

Ela se reuniu com dezenas de imigrantes em uma sessão de informação, organizada pelo Escritório de Novos Bostonianos, na semana passada. "Você não deve pagar para um advogado preencher os formulários agora", orienta.

Dezenas de milhares de imigrantes em Massachusetts podem ser elegíveies para aplicar, de acordo com o Migration Policy Institute, sediado em Washington. Autoridades norte-americanas dizem que os imigrantes jovens podem começar a aplicar em fevereiro, e os pais de cidadãos norte-americanos ou residente permanente, no mês de maio.

Em Boston City Hall, na semana passada, um engenheiro oriundo de Marrocos e formado nos EUA, está no país há mais de 20 anos. Ele chegou ao local da reunião sorrindo e fazendo planos para aplicar. Mas ele saiu abatido, atordoado ao descobrir que ele não se qualificar, porque ele não tem filhos nascidos nos EUA.

Segundo a advogada, muitos imigrantes também enfrentam ordens de deportação pendentes ou registos criminais que podem, ou não, desqualificá-los. Por isso, a American Immigration Lawyers Association orienta que os imigrantes entrem em contato com um advogado e peçam para ver os casos. Isso porque os funcionários que analisarão os processos, vão decidir caso a caso.

"Os riscos são muito graves", disse Gregory Z. Chen, diretor da associação com sede em Washington. "Se eles não se qualificarem, poderão ser colocados como uma prioridade para a deportação”, continua.

Outros defensores dizem que nem todos os imigrantes precisarão de um advogado. O Grupo de Mulheres Brasileiras, sediado em Brighton, disse informou que ajudou cerca de 300 jovens a solicitar residência temporária sob o programa de 2012. A entidade cobrou apenas uma doação sugerida de US$ 25. "O que estamos fazendo é ajudar os imigrantes a economizar dinheiro, pois virão altas taxas de imigração”, disse Heloisa Galvão, diretora-executiva do grupo.

No domingo, 30 de novembro, o advogado especializado em Imigração, Ludo Gardini, tomou o centro do palco no Templo dos Milagres e segurando um microfone, respondeu a perguntas feitas pela congregação formada por imigrantes, em sua maioria de brasileiros. Todos queriam mais detalhes sobre a Ordem Executiva anunciada pelo presidente Barack Obama e quem se qualifica para ela.

“Uma mulher cuja filha tem um green card?”, alguém perguntou e ele exclamou “sim”. Outra pessoa indagou “um pai de duas crianças norte-americanas?”, a resposta novamente foi “Sim”

Gardini, um advogado de Somerville, disse que está alcançando os imigrantes de forma maciça. Para isso ele grava palestras e publica no YouTube. Ele disse que não está cobrando taxa de ninguém para requerer a ordem executiva ainda, e ressalta que os imigrantes não devem deixar para procurar um aconselhamento jurídico no último minuto.

Fonte: Da Redação