Publicado em 22/04/2015 as 12:00am

Presidenciável republicano afirma:

O pré-candidato a presidência dos Estados Unidos, o Senador Marco Rubio (R-FL.) esclareceu a sua visão sobre uma reforma abrangente nas leis de imigração.

O pré-candidato a presidência dos Estados Unidos, o Senador Marco Rubio (R-FL.) esclareceu a sua visão sobre uma reforma abrangente nas leis de imigração. A declaração foi feita no domingo (19) e ele foi bastante crítico ao projeto. Segundo o político, o projeto de lei que ele ajudou a escrever em 2013 “está morto”.

O presidenciável, apesar de fazer parte do grupo que criou o projeto que legalizaria mais de 10 milhões de imigrantes, deixou claro que vários pontos foram fundamentais para que o documento ficasse engavetado. Ao ser indagado se caso fosse eleito presidente, assinaria um projeto semelhante, ele disse “que isso hipoteticamente que nunca vai acontecer".

O projeto de lei de 2013, que foi aprovada pelo Senado, mas nunca chegou a uma votação na Câmara, concederia anistia para cerca de 11 milhões de imigrantes. Muito parecido com o Immigration Reform and Control Act, assinado pelo presidente Reagan, em 1986, o projeto de lei daria anistia e promoveria uma maior segurança nas fronteiras do país. “Especificamente, ele obrigava o governo a construir uma cerca de 700 milhas, implantar mais de 40 mil agentes de patrulha e implementar um sistema de verificação de emprego (E-Verify), obrigatório a todas as empresas.

Marco Rubio disse que “a primeira coisa que faria [se fosse presidente] seria pedir ao Congresso para aprovar um projeto muito específico para o lugar do E-Verify, controlando a entrada e saída para evitar que o período de visto seja ultrapassado”.

Em outras palavras, Rubio só passaria a metade dos pontos que ele ajudou a escrever no projeto de 2013. Ele não faz mais parte "integral" da reforma abrangente nas leis de imigração proposta pelo Senado. Em vez disso, o senador quer as reformas aprovadas em partes, começando com os mais atraente para os eleitores conservadores.

Ele também quer uma revisão completa sobre a filosofia dos EUA em torno da imigração. “Durante décadas, a lei americana de imigração tem priorizado aplicações baseadas em laços familiares. Essa filosofia tem priorizado cônjuges, irmãos, pais e filhos, permitindo que famílias de imigrantes fiquem juntos”, disse.

Se for eleito, Rubio disse que acabaria com os programas de “ação diferidos” de Barack Obama, tais como DACA (que dá alívio de deportação e permissão de trabalho para não-cidadãos, trazido para os EUA quando crianças) e DAPA (que alivia pais de cidadãos norte-americanos ou de filhos que tenham Green Card).

No entanto, durante uma recente entrevista com Jorge Ramos, ele alegou que o DACA, em particular, não pode ser encerrado imediatamente.

Fonte: Da Redação