Publicado em 20/05/2015 as 12:00am

Invasão do ICE em Massachusetts preocupa ativistas

Organizações alertam que prisões estão acontecendo com frequência desde o início da semana passada

ADesde o início da semana, organizações e ativistas que defendem os imigrantes nos Estados Unidos estão preocupados com a onda de ataques promovidas por agentes do Immigration and Customs Enforcement (ICE) em algumas regiões de Massachusetts. Diante disso, várias reuniões foram marcadas para discutir o assunto e alertar a comunidade.

Na terça-feira, dia 19, a organização Latinos Unidos em Massachusetts, em parceria com a Massachusetts Immigrant and Refugee Advocacy Coalition (MIRA) realizou um debate sobre o assunto, e apresentou histórias de familiares cujos parentes foram presos nas últimas duas semanas. A diretora-executiva da entidade, Lucy Piñeda, alertou que “as pessoas que não precisam sair às ruas, devem ficar em casa com seus familiares”.

Segundo ela, os agentes de imigração estão realizando uma operação em busca de imigrantes criminosos, “mas se encontrarem qualquer indocumentado pelo caminho, vão prender com certeza”. Piñeda informou que até o momento mais de seis casos foram registrados, de pessoas detidas somente na semana passada. Um deles foi liberado porque não tinha antecedentes criminais, mas ficou com seu nome fichado no Departamento.

Piñeda pediu para que todos tomem muito cuidado ao sair de casa e que evitem ir a edifícios federais ou até mesmo no aeroporto buscar ou se despedir de um parente. Outro assunto discutido foi o aumento das atividades do ICE na área do North Shore.

O Grupo Mulher Brasileira iria participar, mas devido a mudança repentina do local da reunião, a entidade ficou impossibilitada de enviar uma representante. Por telefone, a presidente Heloisa Galvão reafirmou ao Brazilian Times “o seu compromisso com uma reforma da imigração inclusiva e imediata”. Ela deixou clara sua preocupação, mas disse que os alertas para que as pessoas não saiam de suas casas é “um pouco assustador”.

Heloisa disse que os casos de prisões citados não envolvem brasileiros e que todos os presos são criminosos perigosos. “Não podemos dizer que não vai acontecer em nossa comunidade, mas até agora não temos conhecimento”, continua.

Em relação aos alertas para que as pessoas não saiam de casa, Heloisa acrescenta que o imigrante trabalhador não é criminoso e por isso não deve ter medo de sair. “A melhor arma para estas pessoas é a informação, pois se souberem como agir, como se comportar ou o que vai acontecer na Corte, com certeza podem evitar coisas piores”.

Heloisa explica que o imigrante precisa trabalhar, fazer compras, levar os filhos à escola e fazer uma série de atividades fora do lar. “Qual a lógica de pedirmos para estas pessoas ficarem trancadas em seus lares, debaixo de uma onda de medo?”, indaga. “O meu conselho é que os brasileiros evitem beber e dirigir, arrumar brigas, agredir a esposa ou os filhos, avançar sinais de parada obrigatória, pois a imigração não vai perdoar”, acrescenta.


Apoio para quem for preso

Caso um brasileiro seja preso pela imigração ou tenha problema com a justiça, ele deve comparecer a todas as audiências marcadas. “Mas é muito importante que ele faça isso com o auxílio de um profissional, seja advogado ou pessoa apta para tal serviço”, diz Heloisa. Ela cita que o GMB mantém, semanalmente, clínicas de imigração e reuniões com advogados especialistas no assunto para orientar as pessoas.

Quem quiser mais informação sobre a ação do ICE na região de Boston ou solicitar ajuda do GMB é só ligar para o telefone (617) 202-5775.

Fonte: Da Redação do Brazilian Times | Texto de Luciano Sodré