Publicado em 21/08/2015 as 12:00am

Trump quer acabar com cidadania de filhos de indocumentados

Filhos de imigrantes indocumentados nascidos no país têm sido considerados automaticamente cidadãos norte-americanos desde a aprovação da 14ª Emenda da Constituição dos EUA em 1868.

Da redação

O pré-candidato a presidente dos Estados Unidos, o Republicano Donald Trump, mostrou que quer mais do que um muro na fronteira com o México para impedir a entrada de imigrantes. Ele deu uma declaração polêmica e afirmou que quer acabar com "direito de cidadania para a crianças nascidas neste país que são filhas de imigrantes indocumentados". A polêmica declaração foi dita no domingo (16) durante uma entrevista ao programa “Meet The Press”, da NBC.

O presidencial ressalto, ainda, que vai rescindir as Ordens Executivas do presidente Obama em relação à imigração. Filhos de imigrantes indocumentados nascidos no país têm sido considerados automaticamente cidadãos norte-americanos desde a aprovação da 14ª Emenda da Constituição dos EUA em 1868.

As chances para se revogar a cláusula de nacionalidade seria íngreme, e precisaria de dois terço dos votos de ambas as casas do Congresso e apoio de três quartos dos legislativos estaduais do país. Republicanos no Congresso falharam repetidamente desde 2011 em aprovar leis destinadas a pôr termo "cidadania inata." Alguns conservadores acreditam que a disposição poderia ser alterada sem que altera a Constituição.

"Eles são ilegais", disse Trump sobre as famílias que possam enfrentar deportação. "Você quer ter um país ou não", indagou.

As observações de Trump veio junto com o lançamento do seu site de campanha que publicou o seu programa de "reforma da imigração." Entre os detalhes descritos estão:

Fazer o México pagar pela construção de um muro na fronteira.

Deportação obrigatória de todos os "estrangeiros criminosos.

Triplicar a força de oficiais de imigração

Eliminar pagamentos de crédito de imposto para as famílias imigrantes que residem ilegalmente em os EUA

Ele disse que as famílias com filhos nascidos nos Estados Unidos seriam deportadas, mas poderiam voltar rapidamente se forem consideradas dignas por parte do governo. "Nós vamos deportar e depois tentar trazer rapidamente os bons", disse ele.

Trump não entrou em detalhes sobre como ele define "pessoas boas". Mas discursos anteriores ele declarou que o México estava enviando criminosos para os EUA. "Nós temos que fazer um novo conjunto de regras e leis", disse.

O plano de Trump foi endossado pelo senador Jeff Sessions (R-Ala), que preside uma subcomissão do Senado sobre a imigração. "Este é exatamente o plano que a América precisa", disse em um comunicado.

No domingo, Ohio Gov. John Kasich repetiu o apelo de Trump para terminar a construção do muro na fronteira sul do país com o México.

Fonte: Brazilian Times