Publicado em 17/11/2015 as 12:00am

Estados americanos se recusam a receber refugiados sírios

Estados se recusam a receber refugiados pelo EI

A série de ataques que deixou pelo menos 129 mortos em Paris já teve algumas consequências para os refugiados sírios que buscam abrigo em outros países. Nesta semana, dezenas de Estados norte-americanos anunciaram uma pausa nos programas que acolhem imigrantes por causa da preocupação com a segurança.

O governador de Michigan, Rick Snyder, suspendeu a acolhida a novos refugiados até uma "revisão detalhada do programa".

Alabama, Texas e vários outros Estados fizeram anúncios parecidos, mas um porta-voz do Departamento de Estado americano afirmou que ainda não está claro se essas ações são legais.

O anúncio veio depois da notícia de que foi encontrado um passaporte sírio no local dos ataques. O documento que pertenceria a uma pessoa que teria entrado na Europa via Grécia, como refugiado.

Porém, ainda não há a confirmação de que esse documento realmente pertencia a um dos autores dos atentados. O grupo que se autodenomina "Estado Islâmico" assumiu a autoria dos ataques.

Milhões de sírios têm tentado entrar na Europa para fugir da guerra na Síria e das atrocidades cometidas pelo "EI" – os Estados Unidos assumiram o compromisso de receber cerca de 10 mil imigrantes nessas condições nos próximos 12 meses.

 

Justificativas

O Alabama ainda não havia aceitado nenhum refugiado sírio, mas o governador local já avisou que "não vai expor ninguém do seu povo ao menor risco de um ataque na região".

Em Michigan, Estado que, segundo informações oficiais, recebeu 200 sírios no último ano, o governador Snyder disse que irá suspender a vinda de novos refugiados até que o Departamento de Segurança federal "faça uma revisão completa dos procedimentos de segurança" para a entrada deles no país.

A decisão dos Estados norte-americanos de não aceitar refugiados tem provocado polêmica entre as pessoas que atuam para ajudá-los.

"É muito importante colocar na cabeça que esses refugiados estão fugindo justamente da perseguição que sofrem", disse Michael Mitchell, que trabalha para o Serviço Luterano de Imigrantes e Refugiados nos Estados Unidos.

Vários republicanos que disputam a vaga do partido na eleição presidencial já se posicionaram a favor de que o país receba mais de 10 mil refugiados sírios – mas após uma extensa verificação sobre eles.

Nesta segunda-feira, um novo vídeo teria sido divulgado pelo "EI" comemorando os ataques em Paris e ameaçando Washington.

Fonte: terra.com.br