Publicado em 30/11/2015 as 12:00am

Brasileiro alerta para falsas campanhas solidárias nos EUA

JC afirma que pessoas em Massachusetts, New York, Connecticut e Florida são enganadas por estelionatários

Sob o pedido de ter o seu nome mantido sob sigilo, um brasileiro natural de Belo Horizonte (Minas Gerais) conversou por cerca de duas horas com a redação do Brazilian Times. Ele, que manteve o primeiro contato por telefone, disse que seu objetivo era fazer um alerta para a comunidade brasileira, pois “as campanhas solidárias foram invadidas por aproveitadores e estelionatários”.

O mineiro, que será identificado pelo pseudônimo de JC, afirma que conhece falsas campanhas que foram divulgadas nas mídias comunitárias, inclusive no Brazilian Times. Ele se negou a citar nomes, pois disse que tem pessoas ricas no Brasil envolvidas nas histórias e que vivem de enganar as pessoas. “Eu tenho familiares fico com medo de alguém descobrir que sou eu quem está fazendo esta denúncia. Sei muito bem do que estas pessoas são capazes”, disse.

JC também deixou claro que sua intenção não é prejudicar as campanhas sérias que realmente ajudam as pessoas. “Quando eu toquei neste assunto, há cerca de um mês, muitos falaram que se eu procurasse a mídia poderá por fim a muitos eventos promovidos por pessoas idôneas e que ajudam necessitados e doentes”, fala.

Para justificar o fato de ter decidido buscar o jornal para expor sua preocupação, JC afirma que não se sente mais a vontade vendo pessoas se aproveitando da boa fé dos brasileiros que vivem nos Estados Unidos. “Quando e digo falsas campanhas, me refiro a algumas que dizem ajudar pessoas no Brasil”, fala. “As que acontecem aqui, temos como checar e ver se realmente são verdadeiras. Mas as de lá, precisamos ter alguém perto para conferir a veracidade do fato”, continua.

Durante a entrevista, a reportagem pediu para que ele citasse algum caso, mas o mineiro se recusou a dar nomes. Apenas disse que recentemente foi publicada uma matéria sobre uma pessoa com câncer e que precisa de milhares de dólares para fazer o tratamento. “Eu fui pesquisar e não achei nada na internet com nome da pessoa. Parece que ela não existe. Será que nem ao menos os parente e amigos fizeram uma campanha online para ajudá-lo. É muito fácil você pegar fotos de alguém doente e publicar em sites de ajuda e dizer que esta pessoa precisa de doações”, afirma.

Para evitar serem enganados, segundo JC, os brasileiros precisam fazer uma pesquisa antes de fazer a doação. Ele explica que por menor que seja o valor doado, é muito importante se certificar de que a campanha é verdadeira. “De que maneira podemos fazer isso? Pesquisando o nome da pessoa na internet, checar o nome quem está organizando a campanha, tentar contato com familiares, buscar todos os meios que possam lhe dar segurança de que sua doação está indo para uma causa justa”, fala.

O minero disse que sua preocupação começou quando começaram a surgir campanhas solidárias todos os dias. “Achei muito estranho, pois antigamente não se falava muito nisso e agora é só abrir as páginas de um jornal ou entrar no Facebook para vermos um evento solidário”, continua.

O problema é bem maior, segundo ele, porque as campanhas são divulgadas nas redes sociais e acabam fazendo vítimas não apenas em Massachusetts, mas em New York, Florida, Connecticut e outros estados. “Este alerta é para todos os brasileiros que vivem neste país”, disse.

JC espera que a comunidade não o veja como uma pessoa sem coração, mas como alguém que está preocupado com o crescimento dos estelionatários que surgiram e atrapalham as campanhas sérias. “Veja bem. Se uma pessoa doa para uma falsa campanha, ela evita doar para uma seria, pois já fez a doação. Vamos pesquisar e ajudar quem realmente precisa”, alerta.

Fonte: Redação