Publicado em 3/03/2016 as 12:00am

México não pagará "sob nenhuma circunstância" o muro de Trump, diz ministro

Donald Trump, promete construir na fronteira e cobrar do México por seu custeio

O governo do México jamais utilizará, "sob nenhuma circunstância", recursos públicos arrecadados junto aos mexicanos para pagar pelo muro que o candidato presidencial dos Estados Unidos, Donald Trump, promete construir na fronteira e cobrar do México por seu custeio, disse nesta quarta-feira (2) o ministro da Fazenda mexicano, Luis Videgaray.

"Eu digo isso enfaticamente: não existe nenhum cenário no qual o México pagaria por esse muro", enfatizou Videgaray em entrevista para a emissora "Milenio Televisión".

Além disso, segundo o ministro, o muro "é uma péssima ideia, é uma ideia absurda que se baseia na ignorância e que não tem sustento na realidade da integração da América do Norte".

Videgaray comentou que há mais de cinco anos a migração entre México e Estados Unidos tem um saldo negativo para o país do norte.

"Ou seja, há mais americanos que vêm ao México do que mexicanos que vão aos Estados Unidos", frisou o ministro.

"Todos os dias, mais de um milhão de pessoas fazem o trajeto entre México e Estados Unidos de maneira legal, mais de 350 mil veículos. Fazemos negócios de mais de US$ 1 milhão por minuto", destacou.

Videgaray afirmou que "o México é um aliado fundamental para os Estados Unidos e que Estados Unidos são um aliado fundamental para a competitividade da economia mexicana".

"O que necessitamos é investir, ambos os países, em melhor infraestrutura, melhores pontes, mais instalações alfandegárias, em ampliar as vias", comentou Videgaray.

Sobre a possibilidade de Trump chegar à Casa Branca, o responsável pelas finanças públicas do México afirmou que "seja quem for o presidente dos Estados Unidos, por decisão do povo americano, ele sempre vai encontrar no governo do México uma atitude construtiva, de diálogo".

Donald Trump, que lidera as primárias entre os pré-candidatos presidenciais do Partido Republicano, disse que deportaria os 11 milhões de imigrantes ilegais que vivem nos Estados Unidos e tachou os mexicanos de criminosos e traficantes.

Suas declarações lhe renderam fortes críticas dos ex-presidentes mexicanos Vicente Fox e Felipe Calderón, que inclusive compararam o discurso do magnata do setor imobiliário com o do ditador nazista Adolf Hitler.

 

Fonte: uol.com.br