Publicado em 15/03/2016 as 11:00am

Hillary e Sanders prometem acabar com deportação de imigrantes ilegais

A promessa foi feita no debate entre os pré-candidatos realizado pelo canal em espanhol Univision

Hillary Clinton e Bernie Sanders prometem parar com as deportações de imigrantes ilegais dos Estados Unidos. Os dois concorrentes na disputa pela candidatura presidencial do Partido Democrata se mostraram contrários à deportação de crianças com suas famílias, como ocorre no governo atual, de Barack Obama.

A promessa foi feita no debate entre os pré­ candidatos realizado pelo canal em espanhol Univision, no qual naturalmente a questão da imigração foi uma das dominantes. O debate foi na Flórida, Estado com uma grande comunidade latina e onde na próxima terça os democratas disputam uma das prévias mais importantes da corrida presidencial.

O apresentador Jorge Ramos lembrou que cerca de 2,5 milhões de imigrantes ilegais foram deportados no governo Obama e questionou se Hillary fará o mesmo, já que ela se coloca na campanha como a defensora dos programas do presidente. "Não tenho a mesma política do governo atual", disse Hillary. "Eu não vou deportar crianças. Eu também não quero deportar membros de famílias".

Sanders se comprometeu a não deportar imigrantes ilegais sem ficha criminal e também a promover a reunião de famílias separadas pelas leis de imigração. "A ideia de uma mãe vivendo em um lado da fronteira e o filho em outro é errado e imoral", disse o senador.

A posição de Hillary e Sanders favorável à regularização dos estrangeiros contrasta fortemente com o discurso no Partido Republicano, onde os dois principais concorrentes, o empresário Donald Trump e o senador Ted Cruz, defendem a deportação de todos os cerca de 11 milhões de imigrantes ilegais.

Mas Hillary e Sanders também tiveram momentos de discussão acalorada sobre o tema, com a ex-­chanceler criticando o senador por não ter apoiado um projeto de lei em 2007 para facilitar a legalização de imigrantes. Sanders respondeu que rejeitou a proposta porque as condições para os trabalhadores temporários era "equivalente a escravidão".

O debate ocorreu sob o impacto das prévias partidárias realizadas na terça (8), quando Hillary perdeu para o senador Bernie Sanders no Michigan, Estado de peso para o partido. A boa notícia para a ex-­chanceler foi ter chegado à metade dos 2.382 delegados partidários necessários para selar sua candidatura à Casa Branca. Mantida a performance, Hillary se consagraria no fim de abril.

 

Fonte: braziliantimes.com