Publicado em 20/07/2016 as 8:00am

Indocumentados são citados em Convenção Republicana

Alguns dos discursos citaram assassinatos e outros crimes cometidos por imigrantes

Na quarta-feira, dia 18, o partido Republicano iniciou a sua Convenção Nacional que possivelmente oficializará o empresário Donald Trump e o Governador de Indiana, Mike Pence, para concorrer à presidência dos Estados Unidos nas próximas eleições. O evento acontece na Arena de Quicken Loans, na cidade de Cleveland, em Ohio.

A Convenção terminará nesta quinta-feira, dia 21, e também ratificará o programa de propostas políticas que serão executadas no possível Governo Republicano. Alguns manifestantes usaram megafones e cartazes para expressar a preocupação com as ideias apresentadas por Trump durante sua campanha eleitoral. Para eles, o projeto do presidenciável representa divisões raciais em um país que tem registrado uma crescente violência da polícia contra os negros.

Os ex-presidentes George H. W. Bush (pai) e George W. Bush (filho) não aceitaram o convite para participar da convenção republicana de Cleveland. Eles alegaram que não têm planos para aprovar a candidatura de Trump. Mitt Romney, que foi candidato republicano nas eleições presidenciais em 2012, também não aceitou o convite. Ao contrário, ele chamou Trump de uma “fraude”.

Com um discurso, ciado pela mídia como plágio de Michele Obama, Melania Trump, abriu a série de depoimentos de personalidades, políticos e empresários sobre as qualidades do candidato.

Entre os que discursaram, alguns atacaram verbalmente os imigrantes indocumentados e citaram alguns casos para justificar a plataforma de política de Trump contra a imigração ilegal. O ator italiano Antonio Sabatu Jr., que que chegou aos EUA na década de 80, disse que teve paciência e soube esperar e pagar para se tornar um cidadão deste país.

Em seguida, uma mulher de origem latina falou que teve um membro de sua família morto por um imigrante indocumentado. Um afrodescendente relatou que seu filho foi assassinado por um mexicano, o qual já havia sido deportado. Todos aplaudiam as medidas que Trump quer usar para conter a imigração ilegal e expulsar os indocumentados do país.

Mesmo Trump apresentando propostas para lutar contra a imigração, muitos imigrantes que se tornaram cidadãos deste dos EUA o apoio e, nas entrelinhas, se voltam contra a sua própria origem. É desta forma que pensam os ativistas que lutam contra o “radicalismo trumpiano”.

Fonte: braziliantimes.com