Publicado em 22/08/2016 as 11:00pm

Mulher é condenada por manter imigrantes como escravas

Olga também fazia lavagem cerebral e ameaçava as vítimas de que elas seriam mortas pela imigração se não a obedecessem

Uma mulher que mora no Texas, foi condenada por forçar imigrantes indocumentados a serem seus escravos, dizendo que ela era "voz de Deus" e que se eles a desobedecessem, os funcionários de imigração iriam matá-los e enterrá-los em um campo.

Segundo as autoridades, Olga Murra operou uma companhia de limpeza em El Paso e Forth Worth foi considerada culpada por duas acusações de trabalho forçado e duas acusações de "abrigar imigrantes indocumentados". A sentença só sairá em novembro, mas ela poderá pegar até 20 anos de prisão por cada condenação e mais 10 anos por dar abrigo a imigrantes.

A porta-voz da Procuradoria, Kathy Colvin, 64 anos, disse que a "acusada fazia as imigrantes acreditar que iriam para o inferno se não a obedecessem". Olga teria, também, ameaçado uma das mulheres de que se ela não fosse obediente, ela (ré) entraria em contato com a imigração e a imigrante seria morta e enterrada em um campo com outros indocumentados.

Olga nasceu no México e se mudou para os Estados Unidos em 1997 e um ano depois ela arranjou para trazer uma mulher de 33 anos, identificada pelas autoridades como V.R.A. Depois, ela organizou para trazer outra imigrante, com 21 anos. De acordo com um comunicado US Immigration and Customs Enforcement (ICE), ambas as mulheres são cidadãs mexicanas que "entraram ilegalmente e ainda permanecem nos EUA".

As autoridades informaram que durante 14 anos, a acusada submeteu as duas imigrantes a trabalho forçado, pressões religiosas, abuso e doutrinação. Olga fez as mulheres ouvirem gravações de seus versos da leitura da Bíblia, enquanto elas trabalhavam na limpeza de 3 a 4 casas por dia, sete dias por semana.

As imigrantes dormiam no chão, tinham que pedir permissão para usar o banheiro, eram alimentadas com pão e água e cozinhar para Olga, que ficava com todo o dinheiro dos serviços feito por elas.

Quando as mulheres se comportavam de maneira desagradável com ela, Olga forçava-as a dormir na garagem ou no quintal.  Além disso, a acusada também convenceu as imigrantes de que se elas desobedecessem, iriam passar a eternidade no inferno,

Olga poderá pegar 60 aos de prisão, segundo alguns especialista, além de uma multa no valor de US$250 mil.

Fonte: Da redação