Publicado em 7/09/2016 as 4:00pm

Hillary quer aprovar reforma imigratória nos 100 primeiros dias de governo

Ao longo de sua campanha eleitoral, a candidata presidencial republicana já fez mais de 1 dúzia de promessas

Caso Hillary Clinton vença as eleições presidenciais em novembro, ela terá uma longa lista de compromissos a serem cumpridos. Tendo como base as promessas de campanha, até o momento, sua agenda envolve mais de 1 dúzia de políticas, incluindo a tão esperada reforma migratória ampla e um plano de infraestrutura que envolverá quase US$ 300 bilhões.

Durante um encontro em julho com representantes da Liga dos Cidadãos Latinos Americanos Unidos (LULAC), Hillary prometeu trabalhar com o Congresso numa proposta migratória que permitiria uma “rota à cidadania”, ao mesmo tempo em que resolveria o acúmulo de pedidos de vistos para familiares. Hector Barreto, representante da entidade, disse que continua otimista que Clinton possa resolver o tema; que ficou praticamente parado durante a administração do Presidente Barack Obama.

Ele acrescentou que, apesar da posição firme de Obama com relação ao seu próprio pacote de leis ter “envenenado o poço” para muitos legisladores conservadores, ele acredita que Clinton “é uma companheira de trabalho bastante boa”, e, portanto, eles estariam dispostos a chegar a um acordo.

“Eu acho que há algumas pessoas no Congresso que trabalhariam com ela”, disse Barreto, que também é membro da Câmara do Comércio dos EUA e também atuou na administração do ex-presidente George W. Bush.

Ele destacou especificamente o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell (R-Ky.), que anteriormente apoiou os esforços na aprovação de uma reforma migratória, assim como o porta-voz da Câmara dos Deputados, Paul D. Ryan.

O apoio de Ryan poderá ser decisivo, especialmente se os democratas conquistarem a maioria no Senado.

Os republicanos da Câmara dos Deputados bloquearam todos os esforços de aprovação de proposta de reforma migratória, entretanto, os democratas esperam que Ryan possa conquistar votos, particularmente se a sua maioria republicana diminuir depois das eleições.

“Eu penso que Paul Ryan é inteligente o suficiente para perceber que os eleitores latinos são a maior ameaça para a sobrevivência do Partido Republicano”, disse o especialista em pesquisas, Brad Bannon. “Eu acho que ele moverá o céu e a terra para que os republicanos participem de algum tipo de acordo”.

Reconstruir a economia do país também se tornou foco na campanha de Hillary. Durante um comício ocorrido no início do ano, ela apresentou um plano de infraestrutura de quase US$ 300 bilhões que ela enviaria ao Congresso para votação quase que imediatamente depois de ser eleita. Ela considerou o plano “o maior investimento em infraestrutura desde o sistema de rodovias interestaduais de Dwight Eisenhower”, com gastos em autoestradas, pontes, viadutos, canais, transporte público e expansão da banda da internet.

O foco na melhoria da infraestrutura é voltado aos eleitores que acreditam que a economia é um dos principais assuntos de campanha em 2016, algo que mais de 90% dos entrevistados afirmaram em uma pesquisa recente realizada pelo Gallup Poll.

Fonte: Brazilian Voice