Publicado em 14/09/2016 as 12:00pm

Fazendeiros dizem que temem mais cartéis de drogas do que imigrantes na fronteira

Uma das razões para a falta de preocupação na região sobre a imigração ilegal é que este assunto entrou em declínio

Em uma noite de verão sufocante no sul do Arizona, dezenas de fazendeiros se reúnem em uma fazenda a 20 milhas do México para discutir um assunto de interesse de todos: não é a imigração ilegal, mas o tráfico de drogas.

Interrompido apenas pelas cigarras, Jim Chilton, um fazendeiro de quinta geração, e sua esposa Sue, explicam “mulas de drogas” rotineiramente atravessam os seus 50 mil acres de terra. “Eles usam um mocassim sobre os sapatos para não deixar pistas que os agentes de fronteira possam seguir”.

Chilton, cujo o rancho tem uma cerca de arame farpado simples que separa os EUA do México, falou um dia antes do presidenciável republicano Donald Trump endurecer sua posição sobre os imigrantes indocumentados, em um discurso em Phoenix (Texas).

O fazendeiro disse que apoia o magnata em seu plano para construir um muro na fronteira, porque isso reduzirá a ação dos cartéis mexicanos. "Nós vivemos em uma área controlada pelo cartel de Sinaloa", diz ele, que instalou câmeras com sensor de movimento em suas terras para capturar vídeo das mulas de drogas. "

Enquanto o muro anunciado por Trump tem ressoado de Iowa até Ohio, bem como com o fazendeiro Chilton, muitos residentes fronteiriços no Arizona, Novo México, Texas e Califórnia não estão preocupados com os imigrantes. Uma pesquisa recente da Cronkite News, Univision News e The Dallas Morning News descobriu que 72 por cento dos norte-americanos em cidades fronteiriças opõem se ao muro, mas temem o tráfico de drogas.

Nohe Garcia, um fazendeiro nascido no México, que vive na cidade fronteiriça de Nogales (Arizona) por décadas, disse que Trump criou um clima feio entre os dois países com o seu plano de deportação e retórica sobre os mexicanos.

Uma das razões para a falta de preocupação na região sobre a imigração ilegal é que este assunto entrou em declínio, especialmente desde a crise financeira de 2007, e os EUA tendo menos empregos para oferecer. De acordo com a agência US Customs and Border Protection, o número de pessoas presas que cruzam ilegalmente a fronteira caiu de 1,1 milhões em 2006 para 337mil no ano passado.

Mas a quantidade de heroína e metanfetamina apreendidos ao longo da fronteira aumentou três vezes durante os últimos cinco anos, ajudando a alimentar uma epidemia de opiáceos e contribuindo para overdoses, destruição de famílias e acidentes de carro como a principal causa de mortes nos EUA.

Fonte: Da redação

Top News