Publicado em 2/11/2016 as 2:00pm

No Novo México, Trump ataca imigrantes e pede volta das táticas de torturas

O Republicano disse, ainda, que o Governo de Hillary pode abrir as portas para a chegada de 650 milhões imigrantes

No domingo, dia 30 de outubro, o presidenciável Donald Trump advertiu seus partidários no Novo México que sua adversária, a Democrata Hillary Clinton, “quer deixar que as pessoas, simplesmente, entrem o país”. Durante um discurso em Albuquerque, ele falou, sem evidências, que centenas de milhões de pessoas poderiam entrar nos Estados Unidos se ela for eleita.

Segundo o Republicano, “650 milhões de imigrantes entrarão no país se Hillary for eleita. “Pense nisso, pois poderá acontecer. Depois de perdemos os controles de nossas fronteiras não teremos mais nenhum país”, disse.

Trump também alimentou os temores das pessoas em relação a crimes cometidos por imigrantes indocumentados, mesmo pesquisas revelando que a taxa de registros para esta classe social é menor que a dos residentes legais. Ele disse que os crimes cometidos por imigrantes contra cidadãos dos EUA continuarão.

TORTURA

Além de incitar a revolta contra os imigrantes indocumentados, Trump falou de sua vontade em reavivar a “waterboarding”, usada pela CIA. O republicano lamentou as críticas sobre o uso desta técnica de tortura, a qual ele quer trazer de volta para utilizá-la contra o Estado Islâmico.

"Estes selvagens cortam a cabeças e afogam pessoas, como se estivessem na época medieval e nós não podemos fazer waterboarding? 'É muito difícil'", disse, zombando dos críticos desta técnica utilizada pela CIA em interrogatórios de suspeitos de terrorismo.

Trump já havia chamado para restabelecer waterboarding e métodos "muito pior" de tortura se ele se tornar presidente. "Nós temos que ser duros e temos que ser inteligentes. E nós temos que ser, em alguns casos, muito cruéis", acrescentou.

A técnica “waterboarding consiste em colocar uma toalha no rosto da pessoa e jogar água para encharcar o tecido até que o torturado fique com dificuldades para respirar.

Fonte: Da redação

Top News