Publicado em 26/12/2016 as 4:00pm

Wisconsin precisa de imigrantes para alavancar crescimento

A experiência de Wisconsin contradiz algumas das suposições de Trump

A imigrante Irma Flores (esq.) desinfeta o úbere das vacas pouco antes da extração do leite em uma fazenda de Wisconsin

Desde 2010, Wisconsin vem perdendo 10 mil pessoas ao ano, pois os residentes se mudam para outros estados e o governo falha em atrair novos moradores

Quando o Congresso e a administração Trump começarem a trabalhar na reforma migratória, a delegação de Wisconsin deve deixar clara a posição do estado: Wisconsin precisa de mais imigração legal; não menos. A palavra chave é “legal”.

A campanha eleitoral de Donald Trump baseou-se nos milhões de imigrantes indocumentados que vivem nos EUA e se era favorável que eles permaneçam no país. Trata-se de um problema complicado, pois deportações em massa não são realísticas ou humanitárias. Entretanto, o presidente eleito sugeriu que ele talvez dificulte ainda mais a imigração legal aos EUA, demonstrando preocupação de que os imigrantes “roubam” as vagas de trabalho dos americanos.

A experiência de Wisconsin contradiz algumas das suposições de Trump. Na realidade, restringir a imigração ao tornar  mais difícil que estrangeiros obtenham vistos para trabalhar no país poderia prejudicar a economia de forma que prejudique o crescimento. Um dos obstáculos maiores no crescimento econômico é o estoque limitado de trabalhadores qualificados. Desde 2010, Wisconsin vem perdendo 10 mil pessoas ao ano, pois os residentes se mudam para outros estados e o governo falha em atrair novos moradores. Além disso, soma-se o baixo índice de natalidade e os empresários em Wisconsin não conseguem contratar os funcionários que necessitam.

Aproximadamente, 70% das companhias em Wisconsin que participaram da pesquisa realizada pela Wisconsin Manufactures & Commerce responderam ter enfrentado dificuldades em conseguir trabalhadores em 2016.   A Associação Comercial da Região Metropolitana de Milwaukee prevê que na próxima década, 100 mil vagas de emprego na área permanecerão vagas porque não há trabalhadores para preenchê-las. Vagas de emprego em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (conhecidas como posições STEM) são particularmente difíceis de serem preenchidas.

“Entre todas as regras malucas em nosso governo, a pior é aquela em que recebemos as pessoas mais inteligentes do mundo, nós as trazemos para a América, nós damos à elas títulos de Ph.D nas áreas de ciência e tecnologia e as chutamos para fora para que elas fundem grandes companhias fora da América”, disse Eric Schmidt, ex-CEO do Google.

Fonte: Brazilian Voice