Publicado em 27/01/2017 as 8:00am

Trump aperta cerco a imigrantes e assusta brasileiros

Trump aperta cerco a imigrantes e assusta brasileiros

O número de famílias brasileiras que se mudara ilegalmente para os Estados Unidos nos últimos meses, com filhos menores de idade, cresceu bastante. Isto porque o país não deporta crianças, o que garante também a estada de seus pais.

De acordo com especialistas, pelo chamado “pegar e soltar”, após a apreensão, os imigrantes são enviados para centros de detenção, onde podem permanecer poucos dias ou até alguns meses. Na sequência, são liberados com uma tornozeleira eletrônica, junto com o menor, e ficam à espera de uma audiência.

Como os tribunais de imigração estão com as demandas altíssimas, as audiência podem demorar anos. “Mudou completamente o perfil dos brasileiros que vêm: dez anos atrás, eram pessoas sozinhas ou casais sem filhos; agora, são famílias, por causa da política do cai cai”, explica a diretora executiva do Brazilian American Center, em Framingham, Liliane Costa.

A forma mais comum de permanência ilegal de brasileiros no país era como turista. Eles entravam e ficavam, ignorando a validade do visto. Contudo, o número de vistos negados a brasileiros subiu consideravelmente no último ano. Foi de 5,36% em 2015 (ano fiscal americano, que termina em setembro) para 16,7% em 2016.

De acordo com a matéria, até setembro, o Brazilian American Center recebia cerca de duas famílias por semana que entravam no país com a ajuda dos chamados coiotes. Agora, chegam ao centro duas famílias por dia.

Nos dois últimos meses do ano passado, 940 brasileiros foram pegos após atravessar ilegalmente a fronteira americana, média de 15,4 por dia. O que corresponde a um crescimento de 73% em relação à média diária no ano fiscal de 2016, quando 3.252 brasileiros foram presos (8,9 casos/dia).

Mas as recentes ações feitas pelo presidente Donald Trump deixou grande parte desta população preocupada e incerta com o seu futuro. Alguns usaram as redes sociais para demonstrar suas preocupações e outros se precipitaram e voltaram ao Brasil.

Iara Morton, uma advogada especialista em imigração que atua na Flórida, escreveu em sua página no Facebook: "ALERTA! Sem querer causar alarde, se você tem opção migratória, busque-a já, pois o efeito Trump começou! Duas ordens executivas assinadas esta semana, trarão drásticos efeitos sobre os indocumentados. O programa 287(g) foi reinstituído, permitindo que policiais locais chequem o status migratório e haverá imensa expansão de centros de detenção. Há também propostas para mudanças no visto L para executivos, H para profissionais, redução do número de vistos e eliminação de categorias com base em vínculo familiar. Não perca tempo - as portas começaram a se fechar! Desejo a todos paz e sorte".

O advogado Danilo Brack, que atua em Massachusetts, também usou sua rede social para orientar e alertar a comunidade. "O presidente Trump acabou de lançar a medida executiva de imigração: criação do muro, prioridade de remoção de criminosos, fim do sistema de liberação dentro do país após breve detenção na entrada ilegal pelo México, criação de novas prioridades de deportações, detenção de indocumentados entrado durante o processo de asilo, aumento de número de oficiais e prisões na fronteira e investigação de recursos usados no México. Ele está apertando o cerco", escreveu.

Fonte: Brazilian Times