Publicado em 1/02/2017 as 9:00am

Ativista norte-americana defende Framingham(MA) como "Cidade Santuário"

Anne pede para que a polícia e demais departamentos não fechem parceria com o ICE

Anne C. Sullivan, uma a ativista e cidadã norte-americana de 71 anos de idade, escreveu uma carta ao jornal local de Framingham (Massachusetts) – MetroWest Daily News – para relatar a sua posição em relação à imigração nos Estados Unidos, principalmente em sua região. Ela, cujo os avós são imigrantes, disse que defende que sua cidade se torne um “santuário”.

Ela relata, ainda, que seus avós se mudaram para os Estados Unidos porque procuravam por uma vida melhor e mais segura. “Eles eram pobres e não falavam inglês”, fala. Os cinco irmãos de Anne estudaram no City College de new York, porque a taxa de matrícula era gratuita naquela época.

Anne viveu em Framingham por cinco anos e ressalta que “valoriza a diversidade” existente na região. Ela cita alguns motivos pelo qual a comunidade imigrante fez parte de sua vida. “Minha cabeleireira que é uma mulher latina possui seu próprio centro de negócios. Eu fui paga para educar três crianças muçulmanas. Também me tornei amiga íntima de uma família brasileira, trabalhando em conjunto pela justiça ambiental no sul de Framaingham”, fala.

A ativista ainda relata que se ofereceu para na Eastleigh Farm, onde trabalhou ao lado de um gerente que tinha status de DACA. “Eu compro no Market Basket, onde há alimentos de muitas culturas”, continua.

Ela termina a sua carta mostrando sua esperança de que o Departamento de Polícia de Framingham, o Code Enforcement Authority e outros departamentos da cidade não cooperem com o Immigration and Customs Enforcement (ICE), delatando imigrantes detidos, “exceto se houver um criminoso perigoso envolvido”.

Anne pede para que o prefeito e os vereadores da cidade trabalhem para proteger a todos os moradores de Framingham, independente do status imigratório.

Fonte: Brazilian Times