Publicado em 9/02/2017 as 10:36pm

Trump pede para Senado trabalhar em uma Reforma Imigratória

O presidente Donald Trump disse que está aberto a considerar um plano abrangente de reforma imigratória se os senadores elaborarem um novo

Da redação

Uma notícia que circulou na mídia norte-americana na noite desta quinta-feira (10/02) deixou a comunidade imigrante empolgada e acalmou o nervosismo de alguns indocumentados que temem a deportação. O presidente Donald Trump disse que está aberto a considerar um plano abrangente de reforma imigratória se os senadores elaborarem um novo. Mas ele disse que se opõe a uma proposta semelhante a de 2013 aprovada pelo Senado, com apoio bipartidário.

Os breves comentários do presidente sobre o assunto surgiram durante uma reunião da Casa Branca com um grupo de senadores democratas e republicanos que também abordaram a nomeação do juiz Neil Gorsuch para servir na Suprema Corte.

Sobre a imigração, Trump disse que está aberto para rever os detalhes da lei de imigração de escrita em 2013 por um grupo de senadores chamado de "Gang of Eight". A informação foi dada pelo senador Joe Manchin III (D-W.Va.), que detalhes a conversa com o presidente.

"Ele está aberto para revisar a legislação", disse Manchin. "Ele disse: ‘Bem, você tem que começar a trabalhar nisso de novo’", e eu disse: Com certeza nós iremos. E isso foi muito encorajador".

O secretário de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, esclareceu que Trump disse aos senadores: "Se vocês querem se reunir para trabalhar em uma solução, fico feliz em ouvir". Ele disse que os comentários de Trump sobre a proposta de imigração da "Gang of Eight " e que se opõe ao projeto de lei de 2013.

Spicer também disse que no início da reunião, Trump deixou claro aos senadores que ele considera o projeto de lei da “Gang of Eight” como uma "anistia".

O senador John Cornyn (R-Tex.), que também participou do almoço, confirmou que o grupo falou um pouco sobre a reforma da imigração. "Eu acho que ele está buscando encontrar alguma maneira de negociar acordos onde poderemos fazer as coisas", disse.

Vários membros da Câmara e do Senado, de ambos os partidos, introduziram leis de imigração ou de segurança nas fronteiras nas primeiras semanas do ano, mas nenhum deles está sendo analisado por comitês.

Se a lei 2013 fosse promulgada, teria tornado milhões de imigrantes elegíveis em um período de 13 anos para alcançar o status de residência permanente ou a cidadania dos Estados Unidos. Mas exigia que todos pagassem milhares de dólares em multas e impostos atrasados.

Fonte: Brazilian Times