Publicado em 18/02/2017 as 6:24pm

Trump desmente que usará Guarda Nacional para prender indocumentados

Trump desmente que usará Guarda Nacional para prender indocumentados

Na sexta-feira (17), a agência de notícias The Associated Press (AP) divulgou que obteve um memorando que detalha a proposta de utilizar os agentes da Guarda Nacional para localizar, prender e deportar imigrantes indocumentados. O documento de 11 páginas pede a militarização do cumprimento das leis migratórias no total de 11 estados.

O memorando inclui 4 estados que fazem fronteira com o México: Califórnia, Arizona, Novo México e Texas, além de outros estados vizinhos: Oregon, Nevada, Utah, Colorado, Oklahoma, Arkansas e Louisiana. O documento teria sido redigido pelo secretário do Departamento de Segurança Nacional, John Kelly, um general reformado da Marinha, segundo a AP.

Entretanto, em menos de 1 hora depois que o fato foi publicado, a Casa Branca o considerou falso. “Isso é 100% não verdade”, disse o porta-voz da Casa Branca, Sean Spice, aos repórteres a bordo do avião Air Force One. “Isso é falso. É irresponsável dizer isso”.

“Não há esforço algum em deter, utilizar a Guarda Nacional para prender imigrantes ilegais”, acrescentou Sean. Mas, o porta-voz não detalhou se a Casa Branca nunca pensou em tal proposta.

“Eu não sei o que poderia possivelmente circular pelas ruas, mas sei que não há ação alguma para fazer o que é possivelmente sugerido”, acrescentou. “Esse não é um documento da Casa Branca”.

Segundo o rascunho do memorando, os governadores de 11 estados teriam a escolha de enviar os seus patrulheiros para participarem da ação. O memorando, com data de 25 de janeiro, é endereçado aos chefes do Departamento de Imigração (ICE) e o Departamento de Alfândega & Proteção das Fronteiras (CBP). Ele determina que os patrulheiros estariam autorizados a “agir como agentes de imigração com relação à investigação, apreensão e detenção de estrangeiros nos Estados Unidos”.

O Prefeito de Blasio, de Nova York, considerou o plano “um ultraje” e alegou que isso comprometeria o trabalho das autoridades ao forçar os imigrantes indocumentados a se esconderem.

“Nós achamos que isso comprometeria a segurança pública em todo o país, caso o presidente tente fazer isso”, disse de Blasio durante a sua entrevista semanal no programa no canal WNYC do apresentador Brian Lehrer.

“Eu penso que ele (Trump) encontrará uma resistência tremenda. Essa não é a função da Guarda Nacional”, acrescentou.

Lehrer frisou que a proposta era meramente um rascunho e poderia ter sido vazada para verificar a reação da opinião pública. “Qualquer que seja a fonte dessa informação, as pessoas deveriam se sentir ultrajadas”, rebateu de Blasio.

O Senador Chuck Schumer demonstrou revolta com relação ao assunto. “Isso é desprezível”, disse Schumer durante uma coletiva de imprensa. “Isso seria uma das coisas mais antiamericanas que aconteceria no último século”.

O rascunho do memorando teria circulado pelos vários departamentos do DHS nas últimas duas semanas, segundo a AP. Os funcionários de diversos departamentos informaram que discussões sobre o assunto ocorreram recentemente até sexta-feira (17).

Tal plano teria consequências massivas. Quase a metade dos 11.1 milhões de imigrantes indocumentados vivem nos 11 estados citados no memorando, segundo o Pew Research Center, tendo como base os dados do Censo de 2014.

Fonte: Brazilian Voice