Publicado em 8/03/2017 as 3:00pm

Quatro meses depois, brasileiros continuam desaparecidos nas Bahamas

Desde 6 de novembro do ano passado, um grupo de 19 imigrantes (entre brasileiros, dominicanos e cubanos) é considerado desaparecido depois de tentativa de travessia ilegal das Bahamas para os EUA

Quatro meses depois do desaparecimento de 12 brasileiros que tentavam entrar ilegalmente nos Estados Unidos pelas Bahamas, as famílias continuam sem novidades sobre o paradeiro de seus parentes. Nesta terça-feira (7), uma audiência pública na Câmara vai ouvir representantes do Itamaraty sobre as ações empreendidas pelo governo na busca dos imigrantes. A reunião foi convocada por uma comissão externa de deputados, instalada no mês passado para acompanhar as investigações.

Marta Gonçalves, mãe de Diego Gonçalves Araújo, um dos brasileiros que integram a lista de desaparecidos, afirmou à Agência Brasil que até o momento não surgiu nenhuma novidade. O último contato que ela teve com o filho foi em 5 de novembro, um dia antes da data prevista para o embarque do grupo nas Bahamas em direção à costa da Flórida, nos Estados Unidos. “Ninguém tem notícia nenhuma. Para dizer a verdade, acho que a gente não pode esperar muita coisa, está tudo muito lento”, disse Marta. 

Esta será a primeira audiência pública sobre o caso. A comissão fez a mesma solicitação à Polícia Federal, responsável pela investigação. Os parlamentares pretendem visitar ainda as embaixadas dos dois países envolvidos no caso. A comissão é composta pelos deputados Reginaldo Loes (PT-MG), Aluízio Azevedo (PTN-MA), Bacelar (PTN-BA), Bruna Furlan (PSDB-SP) e Zé Geraldo (PT-PA).

Em viagem a Minas Gerais, representantes da comissão ouviram relatos de alguns familiares dos desparecidos, e um documento elaborado por parentes será entregue à comissão. Segundo o documento, desde 15 de novembro, quando o Itamaraty recebeu a primeira consulta dos parentes, o órgão enviou um e-mail para o irmão de um dos desaparecidos e telefonou para mais duas famílias.

A assessoria de comunicação do Itamaraty informou que o órgão continua participando da investigação do caso por meio da embaixada brasileira em Nassau (Bahamas) e do consulado-geral de Miami, nos Estados Unidos, além da Polícia Federal. A assessoria afirmou que há dificuldade nas investigações porque as ações dependem da colaboração das autoridades do outro país.

Mistério

Desde 6 de novembro do ano passado, um grupo de 19 imigrantes (entre brasileiros, dominicanos e cubanos) é considerado desaparecido depois de tentativa de travessia ilegal das Bahamas para os Estados Unidos. Segundo o Itamaraty, desde o momento em que foi feita a primeira solicitação de familiares, em 15 de novembro, autoridades policiais, migratórias e marítimas dos três países investigam o que pode ter ocorrido com eles.

Contudo, até o momento não há informação oficial de registro nas Bahamas ou nos Estados Unidos de detenção de nenhum dos integrantes do grupo. Em janeiro, a Polícia Federal fez uma operação em três estados onde residiam alguns dos desaparecidos. A operação resultou na detenção de pelo menos três suspeitos de integrar a quadrilha de traficantes de pessoas que intermediou a viagem. Os desdobramentos das ações não foram divulgados pois a investigação corre sob sigilo.

Fonte: Brazilian Times