Publicado em 22/03/2017 as 10:00am

Brasileiro é preso e indiciado por tráfico de drogas em Framingham

Jonathan Barros já respondia a um processo semelhante movido pelo Tribunal Superior de Worcester

Depois de avançar um sinal de parada obrigatória, um brasileiro se envolveu em um grande problema no domingo (19/03). O que poderia terminar apenas em uma multa de trânsito ou o veículo apreendido culminou com a prisão de Jonathan Barros e acusações de tráfico de drogas.

De acordo com os registros policiais apresentados em uma audiência no Tribunal Distrital de Framingham (Massachusetts), nesta segunda-feira (20/03), a polícia prendeu Jonathan, 27, no domingo às 4:59 p.m. na Loring Drive.

Os oficiais flagraram quando o carro de Jonathan avançou o sinal de parada. "Os policiais perceberam que o réu parecia nervoso e, continuamente, tocava a região de sua cintura", disse a Promotora Francesca Cone.

Os policiais pediram para o brasileiro sair do veículo, e quando ele saiu, sacolas com cocaína e heroína caíram ao chão. Diante disso, os oficiais vasculharam o carro e encontraram vários sacos com ambas as substâncias. "Eles também encontraram várias pílulas e o acusado não tinha receita médica para portá-las", disse Cone.

Jonathan também tinha mais de US$5,000 em dinheiro, inclusive alguns estavam escondidos no forro da jaqueta. Ele tinha um iPad, vários smartfones e uma balança digital com resíduos de cocaína.

Ao todo, a polícia apreendeu com o brasileiro 18 gramas de cocaína, 14 gramas de heroína e mais de 20 comprimidos de gabapentina que são usadas para convulsões. Os policiais também encontraram pílulas de suboxone e oxycodone, nem como um único comprimido de ecstasy.

A polícia acusou Jonathan por tráfico de cocaína, posse de heroína com intenção de distribuir, posse ilegal de suboxone, posse ilegal de gabapentina, posse ilegal de oxycodone, posse de ecstasy e condução com carteira de motorista suspensa. Eles também o citaram por uma violação de sinal de parada.

A Promotora pediu ao juiz Lynn Coffin Brendemuehl para manter o acusado preso mediante a fiança de US$ 20.000 sobre o novo caso, e revogar a fiança existente em um caso já aberto no qual Jonathan é acusado pelo Tribunal Superior de Worcester por tráfico de cocaína.

A advogada de Barros, Meryl Kukura, argumento contra o valor e pediu a fiança de US $ 1.000. Ela disse que seu cliente espera que o caso de 2015 Worcester seja arquivado. "Ele nunca foi condenado por nenhum crime", disse.

O juiz revogou a fiança no caso de Worcester, determinando que ele fique preso por 90 dias. Igualmente ajustou a fiança em US$ 7.500 neste novo caso. Jonathan deve voltar ao tribunal em 18 de abril para uma conferência de pré-julgamento.

Fonte: Brazilian Times