Publicado em 22/03/2017 as 7:00am

"Suas crianças estão seguras", afirmam professores a pais indocumentados na Virgínia

"Suas crianças estão seguras", afirmam professores a pais indocumentados na Virgínia

Os superintendentes de escolas em Harrisonburg (Virgínia) participavam de um encontro em Shenandoah Valley, com pais de alunos neste mês quando uma mãe se desmanchou em lágrimas e disse que era uma imigrante indocumentada. "O que a escola fará se eu for separada dos meus filhos?", indagou ela.

O chefe da escola da cidade, Scott Kizner, caminhou até a mulher, colocou a mão no ombro dela e disse: "Seu filho está seguro em nossa escola". Em seguida ele aconselhou a todos os pais que são indocumentados que "precisam fazer planos".

Em todo o país, a promessa do presidente Trump de combater a imigração ilegal está levando as escolas com grandes comunidades imigrantes a considerar meios de como cuidar de crianças cujos pais poderiam ser detidos em ataques federais.

Pais, professores e administradores levantaram questões sobre como as escolas devem responder se os agentes do Immigration and Customs Enforcement (ICE) chegarem à uma escola para levar alunos ou obterem registros - mesmo que a política da agência restrinja as ações de execução em áreas escolares.

Funcionários em Sacramento, Denver, Chicago e Miami declararam suas escolas paraísos, fora do alcance dos agentes ICE que não tenham permissão especial ou um mandado.

O conselho escolar de Los Angeles votou dias após a eleição de Trump para resistir a qualquer tentativa do presidente de usar registros escolares contra estudantes ou suas famílias em assuntos de imigração. Um distrito escolar de Wisconsin enviou informações para casa avisando aos pais para manter as portas fechadas, ficar em silêncio e se recusar a assinar qualquer coisa se agentes ICE aparecerem.

Na Virgínia, o chefe das escolas estaduais pediu que os superintendentes locais assegurem que as escolas tenham informações de contato de emergência atuais para os pais e se preparem para situações em que as crianças são presas na escola. O Departamento de Educação do Estado de Maryland não emitiu orientação semelhante, mas um porta-voz disse que as políticas de longo prazo do estado refletem a de Virgínia.

Escolas públicas de Washington D.C. emitiram uma declaração em seis línguas instando preparação antecipada: "Discuta se você deseja que seus filhos permanecem aqui, nos Estados Unidos, ou se você gostaria que seus filhos vá com você."

Os educadores dizem que conectar os pais aos recursos da comunidade para ajudá-los a se preparar para possíveis separações de família é parte de seu trabalho para garantir que as crianças se sintam mais seguras possível em sala de aula.

"Nosso objetivo é levar as crianças para a escola e fazer com que elas aprendam", disse Steven R. Staples, superintendente de instrução pública da Virgínia. "Uma criança assustada não aprende muito." Ele também disse que o estado não quer que as crianças "faltem na escola por causa de preocupações sobre o status de imigração".

Milhões de crianças dos EUA enfrentam uma incerteza crescente, em casa, por causa das mudanças na política de imigração. O Pew Research Center estima que 3,9 milhões de crianças em idade escolar tinha um pai imigrante indocumentado em 2014 - ou 7,3% de todas as crianças em idade escolar. Cerca de 725.000 dessas crianças eram imigrantes em situação ilegal.

Fonte: Brazilian Times