Publicado em 8/06/2017 as 9:49am

Por que os EUA agora exigem informações sobre perfis em redes sociais para quem quer entrar no país

A partir de hoje, se você quiser viajar aos Estados Unidos é possível que as autoridades peçam seu nome de usuário no Facebook junto à sua solicitação de visto.

Por que os EUA agora exigem informações sobre perfis em redes sociais para quem quer entrar no país © Getty Images Novo questionário para aprovação de visto inclui perguntas sobre o perfil no Facebook, Twitter e outras redes sociais dos candidatos

É que o governo de Donald Trump aprovou um novo questionário a ser respondido por solicitantes de visto para visitar o país.

O questionário, parte de um esforço para intensificar o controle e escrutínio de quem entra nos EUA, inclui perguntas sobre o perfil do solicitante no Facebook, Twitter e outras redes sociais e seu histórico no uso destas redes nos últimos cinco anos.

Segundo os novos procedimentos, os funcionários consulares estão autorizados a pedir endereço de e-mail, todos os números dos passaportes anteriores, números de telefone e até 15 anos de informação biográfica, incluindo empregos e destinos ou outros detalhes de viagens realizadas durante esse período.

Todos esses dados poderão se solicitados quando "um controle mais rigoroso em relação à segurança nacional for necessário", disse um funcionário do Departamento de Estado à agência de notícias Reuters.

Os críticos a esse sistema dizem que os processos de concessão de visto serão muito mais longos e pouco eficientes, já que as autoridades terão de reunir dados pessoais que muitas vezes acabam sendo irrelevantes.

Isso poderia render atrasos consideráveis e desmotivar profissionais qualificados e estudantes a tentar entrar no país. "Tememos que, com essas medidas, estudantes internacionais, acadêmicos e cientistas desistam de vir aos Estados Unidos", escreveu um grupo formado por 50 instituições educativas do país em uma carta ao Departamento de Estado.

"Se as pessoas tiverem a impressão de que será complicado conseguir um visto, elas não vão querer vir", disse ao jornal FirstPost Andrea Pietrzyk, conselheira de estudantes internacionais da Faculdade de Lewis-Clarck State College em Lewiston, Idaho.

© Getty Images Donald Trump havia prometido que tornaria os sistemas de entrada aos Estados Unidos mais difíceis
  1. Os argumentos de 6 países árabes para romper com o Catar, acusado de apoiar extremistas;
  2. A história de amor entre uma militante de partido francês anti-imigração e um refugiado.

O trâmite de visto para um turista pode levar entre semanas e meses; para autorização de trabalho, o tempo de espera pode durar anos.

Babak Yousefzadeh, jurista com base em San Francisco e presidente do Colégio de Advogados Iraquianos-americanos (IABA, na sigla em inglês), disse à agência de notícias Reuters que as novas perguntas darão um "poder arbitrário" aos EUA para escolher quem consegue ou não o visto.

E questiona a necessidade de endurecer a concessão de visto, tendo em vista que "os Estados Unidos tem um dos processos de solicitação de visto mais rigorosos do mundo".

A informação é voluntária, mas o questionário avisa aos solicitantes que "os indivíduos que não proporcionarem toda a informação solicitada pode ter o visto negado".

© Getty Images Os Estados Unidos têm um dos processos de visto mais rigorosos do mundo

'Identificação de ameaças'

Segundo dados oficiais, 10 milhões de vistos americanos foram emitidos em 2016 no mundo inteiro.

Uma das promessas da campanha de Trump era reforçar a segurança e proteção das fronteiras.

O governo americano usa esse argumento para justificar suas mudanças recentes no visto H-1B para profissionais qualificados, as novas diretrizes para deportar pessoas sem documentação e o endurecimento do processo de visto para entrar no país.

Em março deste ano, quando já se sabia que o novo questionário seria introduzido, o Departamento de Estado enviou à BBC Mundo o seguinte comunicado:

"Imediatamente tomamos medidas para fortalecer ainda mais nossos procedimentos já fortes de monitoramento e investigação, que incluem reconhecimento facial e digital e um acompanhamento antiterrorista interinstitucional com o objetivo de identificar com maior eficácia as pessoas que poderiam representar uma ameaça para os Estados Unidos".

Os serviços de controle de imigração do país já vinham pedindo, desde dezembro passado, informações sobre uso de redes sociais para viajantes usando o Programa de Extensão de Visto, que autoriza a entrada aos EUA sem necessidade de visto para cidadãos de 38 países, entre eles Espanha, Chile e Reino Unido.

Porém o novo questionário - em vigor desde 23 de maio - vai mais além e afetará os solicitantes de qualquer país.

Fonte: msn.com