Publicado em 16/06/2017 as 11:00am

Política anti-imigração de Trump coloca na prisão imigrantes que pedem asilo político

Marco Coello, na época um estudante colegial de 18 anos, foi pego por agentes à paisana dos serviços de segurança da Venezuela enquanto participava de uma manifestação contra o governo em 2014, em Caracas.

Política anti-imigração de Trump coloca na prisão imigrantes que pedem asilo político Marco Coello, ficou preso por vários meses

Eles apontaram uma arma contra sua cabeça. O atacaram com chutes, com um taco de golfe, com um extintor de incêndio. O torturaram com choques elétricos.

Então Coello permaneceu preso por vários meses e, logo após sua soltura, fugiu para os Estados Unidos. A ONG de direitos humanos Human Rights Watch documentou extensamente o caso dele em um relatório no ano passado. O Departamento de Estado o incluiu em seu próprio relatório de direitos humanos sobre a Venezuela em 2015.

Com uma documentação tão extensa dos maus-tratos sofridos em seu país natal, sua advogada, Elizabeth Blandon, esperava por uma entrevista simples de pedido de asilo quando Coello compareceu ao escritório de imigração em abril, em Miami. "Eu tinha essa ideia bem ingênua de que entraríamos ali e a funcionária diria: 'É uma honra conhecê-lo'", disse Blandon, uma especialista em lei de imigração em Weston, Flórida.

Em vez disso, ele foi preso e levado para uma instalação de detenção na periferia de Everglades. Ele tinha se tornado um candidato a deportação. "Toda vez que me transportavam, eu temia estarem me deportando", disse Coello, agora com 22 anos. O caso de Coello obteve extensa cobertura da mídia tanto em Miami quanto em Caracas e, posteriormente, contou com a intervenção do senador Marco Rubio da Flórida.

O senador ajudou a obter a soltura de Coello, apesar dele ainda poder ser deportado. O caso também pode ser um sinal de quão longe o governo está disposto a ir para executar a repressão à imigração ilegal ordenada pelo presidente Donald Trump.

"É muito incomum, quase sem precedentes, o ICE (sigla em inglês do Serviço de Fiscalização de Imigração e Alfândega) prender um requerente de asilo que está em um escritório do Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos aguardando por sua entrevista de asilo", disse Stephen Yale-Loehr, um professor de Lei de Imigração da Escola de Direito de Cornell.

As duas agências mencionadas por ele fazem parte do Departamento de Segurança Interna, mas como Coello descobriu, elas têm missões muito diferentes: o Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos, que cuida dos casos de cidadania e asilo, e Serviço de Fiscalização de Imigração e Alfândega, que prende pessoas que acredita estarem no país sem permissão.

Nos primeiros três meses do governo Trump, agentes do ICE prenderam cerca de 41 mil pessoas, um aumento de quase 40% em comparação ao mesmo período no ano passado. Ao mesmo tempo, o governo expressou um desejo de ser mais rígido na permissão de entrada no país de requerentes de asilo, já que a maioria desses pedidos acaba sendo rejeitada.

Fonte: Redação - Brazilian Times