Publicado em 10/07/2017 as 8:00am

Brasileira é encontrada morta dentro de casa em Rutland (MA)

Causa da morte ainda é desconhecida. Para ajudar com as despesas de funeral, o marido criou uma página no Go Fund Me.

Brasileira é encontrada morta dentro de casa em Rutland (MA) Nascida em Ipatinga, Neide Lampson morava em Rutland, era casada e mãe de três filhos

O domingo, dia 2 de julho, foi de muita tristeza para os familiares e amigos da mineira, nascida na cidade de Ipatinga, Neide de Jesus Lampson, de 45 anos. Moradora da cidade de Rutland (Massachusetts), Neide era casada com o americano Joseph Lampson e mãe de três filhos.

A brasileira, residente nos EUA há 13 anos, foi encontrada já sem vida pelos filhos na manhã de domingo (dia 2), enquanto o marido, com quem era casada há mais de 10 anos, estava trabalhando.

Ainda no Brasil Neide trabalhava como secretária na área de educação, era muito querida por familiares e amigos. Já nos Estados Unidos ela trabalhava na área de limpeza, sendo sócia do marido na empresa Lampson Cleaning Service.

Com o intuito de arrecadar o valor necessário para as custas com velório e funeral da brasileira, o marido criou uma página de doações no site Go Fund Me, onde ele relata o momento de dor que a família está passando. “Minha esposa Neide era a cola que manteve nossa família unida. Ela era uma mãe carinhosa e trabalhadora que amava seus filhos e sua família. Estamos em uma situação financeira muito difícil, pois sou o único cuidador de meus três filhos. Infelizmente, minha esposa não trabalhou o tempo suficiente para gerar qualquer benefício de sobrevivência da segurança social. O dinheiro será usado para ajudar a pagar o funeral e sobrando será usado para o benefício de meus filhos”, relata Joseph.

A causa da morte de Neide ainda é incerta, pois os resultados da autópsia ainda não foram concluídos e ainda podem levar algumas semanas para ser divulgado.

Para colaborar com a campanha de arrecadação de recursos fazendo a sua doação, acesse o link: gofundme.com/lampson-kids.

Fonte: Redação - Brazilian Times