Publicado em 26/07/2017 as 3:30pm

Motorista do caminhão em que morreu 10 imigrantes pode pegar pena de morte

Policiais encontraram os imigrantes trancado no caminhão.

Motorista do caminhão em que morreu 10 imigrantes pode pegar pena de morte James Matthew disse que não sabia que tinha imigrantes na carroceria do veículo

O motorista que dirigia o caminhão onde morreram 10 imigrantes e dezenas ficaram feridos, no domingo (23), foi indiciado nesta segunda-feira (24) pelas mortes e crime de tráfico de pessoas.

De acordo com a denúncia federal, James Matthew Bradley Jr., 60, transportou ilegalmente imigrantes, violando as leis e causando a morte de 10 pessoas. O décimo imigrante, um homem, morreu de noite em um hospital. Após a condenação, a sentença para este tipo de crime pode ser prisão perpétua ou pena morte, mais uma multa de US$ 250.000.

Ainda conforme a denúncia, os oficiais do Departamento de Polícia de San Antonio (Texas) responderam a uma chamada para se deslocarem até a loja Wal-Mart, localizada na 8538, estrada de acesso da Interstate 25, pouco depois da meia-noite, no domingo 23 de julho.

Um oficial encontrou um caminhão atrás da loja e descobriu um número de pessoas em pé e deitadas na parte traseira, carroceria fechada. O motorista, Bradley, estava em um táxi. Ele disse que estava transportando o caminhão de Schaller (Iowa) para Brownsville (Texas) e negou saber que havia pessoas dentro do veículo. “Descobri apenas quando saí da cabine para me aliviar”, disse.

O homem afirma que tentou encontrar ajuda para as pessoas. Os oficiais da polícia relataram que encontraram oito pessoas mortas e cerca de 40 feridas, todos imigrantes indocumentados.

O motorista, Bradley, foi levado sob custódia. Durante o interrogatório, ele disse que estava viajando de Laredo para San Antonio, depois de ter o caminhão lavado em uma parada de caminhão perto de Laredo. Ele pretendia levar o veículo para Brownsville para entregá-lo a alguém que o comprou.

Conforme o seu testemunho, ele parou no Wal-Mart e ouviu batidas vindo do interior do baú. “Fiquei surpreso quando fui verificar e vi pessoas, falando em espanhol, caídas ao chão", disse. O homem percebeu que pelo menos uma pessoa estava morta e disse que sabia que o sistema de refrigeração do reboque não funcionava e que os quatro orifícios de ventilação provavelmente estavam entupidos.

Ele disse, ainda, que chamou sua esposa, mas não ligou para o 911. O homem afirmou que cerca de 30 a 40 pessoas fugiram do reboque.

Vários dos imigrantes e entrevistados por agentes especiais da Homeland Security Investigation (HSI) descreveram como foram contrabandeados pelo Rio Grande, perto de Laredo, em momentos diferentes e faziam parte de diferentes grupos. Eles foram abrigados em um ou mais locais, e no domingo, os grupos foram reunidos e colocados no trailer.

Policiais encontraram os imigrantes trancado no caminhão

Um imigrante disse que seu grupo, composto por 24 pessoas, tinha ficado em uma "casa escondida" em Laredo por 11 dias antes de ser colocado no veículo. Eles estimam que o trailer continha entre 70 a 180 ou 200 pessoas durante o transporte.

"Para ganhar mais dinheiro, esses contrabandistas reuniram mais de 100 pessoas em um caminhão, no calor intenso do verão do Texas, resultando em 10 mortos e dezenas de hospitalizados", disse o diretor do Immigration and Customs Enforcement (ICE), Thomas Homan. "Os contrabandistas humanos demonstram repetidamente que eles não têm absolutamente nenhuma consideração pela vida humana. Nossos agentes e oficiais da ICE, trabalham em estreita colaboração com os nossos parceiros na aplicação da lei, e irão perseguir esses traficantes e levá-los à justiça", continuou.

Os investigadores do HSI e do ICE estão liderando esta investigação, juntamente com o Enforcement and Removal Operations (ERO), o Departamento de Polícia de San Antonio e o Departamento de Bombeiros de San Antonio, com a assistência do Escritório do xerife do Condado de Bexar (Texas) e a Patrulha de fronteira dos EUA.

O assistente da Procuradora Christina Playton está processando este caso. É importante notar que uma denúncia criminal é meramente uma cobrança e não deve ser considerada prova de culpa. O arguido é presumido inocente até que seja provado culpado em um tribunal de justiça.

Fonte: Redação - Brazilian Times