Publicado em 18/09/2017 as 10:00am

Mais um brasileiro desaparece nas Bahamas rumo aos EUA

A última vez que Maykon Eder Alves de Jesus contatou a família foi em 3 de agosto.

Mais um brasileiro desaparece nas Bahamas rumo aos EUA Maykon Eder Alves de Jesus saiu do Brasil com destino ao Panamá, depois à República Dominicana.

A última vez que o casal Silvânio de Jesus e Idalira Alves Sousa e o irmão caçula Weslei Alves de Jesus, de 21 anos, viram Maykon Eder Alves de Jesus, de 23 anos, natural de Senador Canedo (GO), foi em 10 de maio, quando ele informou que tentaria entrar clandestinamente nos EUA. O jovem saiu do Brasil com destino ao Panamá, depois à República Dominicana e, finalmente Bahamas, de onde tentaria chegar de barco à Flórida. A última vez que ele entrou em contato com os familiares foi em 3 de agosto, quando estava na cidade de Freeport, nas Bahamas. Na ocasião, Maykon havia informado aos parentes através do celular que poderia iniciar a viagem pelo mar a qualquer instante. As informações são da W.R. web Morrinhos e do jornal O Popular.

“Se eu não falar mais com a senhora, não se preocupe porque eles (coiotes) tomam o celular. Quando chegar a Miami, entro em contato. Amo vocês”, teria dito o filho à Idalira.

Os familiares do jovem não sabem se ele está preso, guiado por outro coiote ou em trabalho escravo. “Também não podemos descartar um naufrágio”, disse Weslei.

De acordo com o jornal Brazilian Voice, o irmão caçula relatou que antes da chegada às Bahamas, um dos agenciadores (coiotes) aplicou um golpe no rapaz. “Na República Dominicana, o ‘coiote’ pegou o dinheiro dele e não cumpriu o que tinham combinado. Aí, tivemos que mandar mais dinheiro”, contou.

Idalira Alves Sousa, ao lado do marido, Silvânio de Jesus, e do filho caçula, Weslei Alves de Jesus, segura uma foto de Maykon Eder.

No total, os parentes de Maycon enviaram para ele aproximadamente R$ 35 mil. Eles alegam que não tinham conhecimento anterior dos planos do jovem e somente souberam no dia da viagem. Em todas as vezes que mantiveram contato com o filho, o casal disse que o pediam para voltar ao Brasil e ele já estava considerando a hipótese.

“Ele me disse, ‘mãe, apareceu a oportunidade, me ajuda, eles vão me atravessar, se a senhora não me ajudar, vou em banco porque a oportunidade é agora’. Não tivemos saída, tivemos que ajudar”, disse Idalira.

Mãe se ajoelhou para filho não ir:

Temendo que qualquer incidente ocorresse durante a perigosa travessia, a dona de casa, Idalira Alves Sousa, de 48 anos, detalhou entre lágrimas que chegou a se ajoelhar aos pés do filho para que ele não fosse. Determinado, Maykon insistiu no sonho de proporcionar uma vida mais confortável à família. Sem notícias do filho, ela relatou que vive atualmente um verdadeiro pesadelo.

“Não como, já emagreci não sei quantos quilos, estou tomando remédio para dormir, estou com uma psiquiatra. Não é vida, estou vivendo pelo Senhor, pela esperança e por esses dois ao meu lado (o marido e o filho caçula)”, disse Sousa.

Pedido de ajuda:

Na busca desesperada pelo paradeiro de Maykon Eder, os pais do jovem pediram ajuda às autoridades consulares, mas reclamam da falta de apoio. “A gente não tem resposta, parece que não estou preocupado com a vida de mais um brasileiro. Só queremos notícias do meu irmão”, relatou Weslei.

Através de nota, o Itamaraty teria informado que o “Consulado em Miami tem acompanhado as investigações feitas pelas autoridades locais a prestando todo o apoio possível à família”.