Publicado em 23/09/2017 as 11:00am

Pais imigrantes aceitam deportação para salvar a vida do filho

O casal foi preso em um hospital enquanto aguardavam os procedimentos para a realização da cirurgia do bebê de dois meses.

Pais imigrantes aceitam deportação para salvar a vida do filho Oscar e sua esposa foram presos dentro do hospital.

Oscar e Irma Sanchez, ambos imigrantes indocumentados que vivem no Texas, foram presos enquanto esperando uma série cirurgia ser feita no filho deles de apenas dois meses de vida, mostrando a angustia vida de algumas pessoas diante da “cruzada anti-imigrante” imposta por Trump.

Uma história dolorosa que foi divulgada na noite de quarta-feira (20) e detalhou como o casal entrou em contato com funcionários do Immigration and Customs Enforcement (ICE), em maio deste ano, enquanto procurava tratamento para a estenose pilórica de seu filho Isaac. A doença causa vômitos e perda de peso em lactentes.

Não havia nenhum hospital que pudesse realizar a cirurgia na área do Vale do Rio Grande, onde o casal vive, então eles teriam que dirigir para um hospital de crianças em Corpus Christi, TX, localizado depois de um posto de controle da Patrulha da Fronteira. Mas quando estavam sentados em outro hospital tentando descobrir como deveriam proceder para fazer o tratamento, um agente da Patrulha da Fronteira apareceu na sala de espera. Oscar Sanchez disse que ele suspeita que uma enfermeira chamou as autoridades.

O agente disse que os oficiais de imigração poderiam escoltar o casal até o hospital de Corpus Christi para que seu filho fizesse sua cirurgia, mas que eles seriam presos no momento em que chegaram e enfrentariam procedimentos de deportação. Como qualquer pai, o casal concordou.

O que se seguiu foram dois dias consecutivos de vigilância constante por agentes da Patrulha de Fronteira. Sanchez disse que os oficiais não saíram do lado do casal. “Eles pediam para minha esposa manter a porta aberta enquanto amamentava e me seguiam até a lanchonete do hospital”, disse.

Os dois foram presos e levados, separadamente, para a estação de patrulha fronteiriça, onde foram registrados antes de serem autorizados a retornar ao lado do bebê. Sanchez pediu ao médico para atrasar a operação até que ele e sua esposa pudessem voltar ao hospital. "Nós não sabíamos se eles iriam nos deixar ficar com o nosso filho", disse Sanchez. "Você se sente vulnerável".

Os grupos ativistas disseram que o tratamento ao qual a família Sanchez foi submetida é geralmente usado para pessoas que representam risco, como membros de gangues violentas ou traficantes de drogas. Nem Oscar nem Irma têm antecedentes criminais.

Este é o mais recente terrível incidente de uma série de prisões em que as autoridades de imigração estão invadindo espaços que antes eram considerados seguros para os indocumentados. A polícia de imigração tem realizado prisões em hospitais, abrigos e tribunais desde que a administração do Trump reverteu a proteção da “Era Obama” para evitar a prisão em locais sensíveis.

Fonte: Redação - Brazilian Times