Publicado em 2/10/2017 as 6:00pm

ICE realiza batidas migratórias em cidades santuários

As prisões realizadas por agentes do ICE aumentaram quase 40% nos 3 primeiros meses da administração Trump.

Os agentes prenderam estrangeiros indocumentados naturais de 42 países

Agentes federais prenderam 498 pessoas naturais de 42 países durante uma operação nacional focalizando em cidades que o Departamento de Imigração (ICE) alega servirem de santuários para estrangeiros indocumentados que cometeram crimes. Representantes do ICE disseram que a série de batidas, batizada de “Operação Cidade Segura” (Operation Safe City), concluída na quarta-feira (27), focalizou em “jurisdições santuários”, onde os agentes têm o acesso às penitenciárias negado para interrogar suspeitos e os pedidos de manter os detentos presos não são atendidos.

A operação ocorreu durante o aumento do conflito entre essas jurisdições e a administração Trump, que tem sido acionada judicialmente muitas vezes na tentativa de exigir cooperação entre os órgãos de segurança locais e as autoridades federais de imigração. As detenções ocorridas nessa semana indicam que as autoridades federais ignoram abertamente as cidades santuários, mesmo que muitas delas tenham aprovado ordenanças ou políticas que impeçam a cooperação irrestrita com o ICE.

“As jurisdições santuários que não acatarem os pedidos de prisão ou permitirem o acesso às penitenciárias estão protegendo criminosos estrangeiros do cumprimento das leis migratórias e criando um imã para a imigração ilegal”, disse Thomas D. Homan, diretor do ICE através de um comunicado. “Como resultado, o ICE é forçado a dedicar mais recursos para realizar prisões em grande escala nessas comunidades”.

A maioria das detenções ocorreu na Filadélfia (107) e Los Angeles (101). Também ocorreram prisões no norte da Califórnia, Boston, Denver e Portland (Ore.). Geralmente em tais batidas, grupos de agentes aparecem nas residências no início da manhã, antes que as pessoas saiam para o trabalho, depois de monitorar o movimento delas.

Entre os detidos em Los Angeles, segundo o ICE, estava um mexicano membro de gangue de rua que entrou ilegalmente nos EUA. Quando os agentes o encontraram, ele jogou carro dele contra várias viaturas na tentativa de fugir da prisão. Depois que foi preso, os agentes encontraram uma pistola carregada no bolso dele.

“As leis que foram criadas para proteger os imigrantes que estão aqui e que tentam melhorar de vida estão sendo utilizadas por elementos criminosos para se protegerem”, disse Jorge Field, diretor assistente do ICE em Los Angeles, acrescentando que “ter que fazer essas prisões em público colocam mais pessoas em perigo”.

Ao todo, os agentes prenderam 167 imigrantes indocumentados em 7 condados no sul da Califórnia, informou ele.

Cumprindo a promessa de campanha, o Presidente Trump tem feito do combate à imigração clandestina prioridade principal. O Promotor Público Geral Jeff Sessions tem sido elemento principal na punição de condados e municípios que se recusam a cooperar com as autoridades migratórias. A administração Trump tem tentado cortar a verba federal das cidades santuários, mas tem encontrado obstáculos constantes nos tribunais.

Ainda neste mês, um juiz federal em Chicago (Ill.) bloqueou uma determinação do Departamento de Justiça (DOJ) que exigia que a cidade cooperasse com as autoridades migratórias, caso quisesse receber verba para a manutenção da segurança. A injunção preliminar se aplica às cidades em todo o país.

As prisões realizadas por agentes de imigração aumentaram quase 40% nos 3 primeiros meses da administração Trump. O ICE prendeu 41.318 imigrantes, um índice de mais de 400 pessoas por dia, em contraste com 30.028 durante o mesmo período em 2016.

Entre os detidos na operação dessa semana, 317 tinham antecedentes criminais, incluindo 86 por dirigir intoxicado, o crime mais comum nesses casos. Outros crimes incluem agressão, tráfico de drogas e violência doméstica, assim como invasão de propriedade e privacidade.

Fonte: Brazilian Voice