Publicado em 8/11/2017 as 2:00pm

BENEFICIADOS DO TPS

Oito mil imigrantes em MA estão com futuro incerto.

BENEFICIADOS DO TPS Irma Flores e a filha Gabriela Portillo-Perez.

Cerca de 8 mil imigrantes em Massachusetts estão aguardando decisões que determinarão o seu destino nos Estados Unidos.

Temporary Protected Status, ou TPS, é emitido para imigrantes de alguns países onde as condições de vida são inseguras. Na noite de segunda-feira, dia 06, o Governo federal anunciou que a partir do dia 05 de janeiro de 2019, acabará com o programa para os nicaraguenses.

Além disso, ele estendeu por seis meses o status para hondurenhos, relatando que o governo precisa obter informações adicionais antes de tomar a decisão de fornecer um período de longo prazo.

Ainda não foram tomadas decisões sobre El Salvador e Haiti. Uma família salvadorenha que mora em Haverhill está sendo obrigada a conviver com a incerteza.

Irma Flores e sua filha, Gabriela Portillo-Pérez, falaram sobre essa incerteza. Ela, que trabalha em Somerville orientado aconselhando famílias sobre como se preparar para as decisões do governo em relação ao TPS, agora é uma das que precisa de ajuda e tem o futuro incerto.

Flores e seus dois filhos adultos estão entre os 5.000 salvadorenhos residentes em Massachusetts com status temporário de imigração. Os três vieram para os EUA em 2001, no mesmo ano em que fortes terremotos destruíram grande parte de El Salvador.

Ela, que tem 50 anos de idade, seu filho e sua filha, renovaram continuamente o status, a cada 18 meses, nos últimos 16 anos. Neste período, os filhos dela foram para a faculdade, compraram casas e começaram suas próprias famílias. A imigrante tem três netos e mais dois a caminho.

"Eu acho que estamos fazendo muito bem como imigrantes, como receptores de TPS. Eu acho que estamos fazendo o melhor que podemos, mas se tivermos que lutar estamos prontos para fazer isso", disse ela.

Como a administração Trump anunciou que que ainda não sabe se deve estender esse status temporário para países como El Salvador e Haiti, algumas famílias podem ser forçadas a tomar decisões difíceis.

A filha de 22 anos, Gabriela, se casou com um cidadão norte-americano há dois anos. Mas ela fala que seu casamento complicou as coisas para ela. Como é casada com um cidadão dos EUA, se qualifica para um ajuste de status - mas a sua mãe e seu irmão não.

"Eu ficaria aqui sozinha", disse ela, levando as mãos ao rosto e começando a chorar. "Não sei o que vou fazer. Está sendo tão difícil para mim".
O prazo para o governo decidir se vai estender o TPS para El Salvador termina em janeiro.

Fonte: Redação - Brazilian Times