Publicado em 27/12/2017 as 11:00am

Brasileiros buscam estratégias para fugir de Trump, diz site

O site do jornal Folha de São Paulo publicou no domingo, dia 24, uma matéria retratando o medo de alguns brasileiros, nos Estados Unidos, em relação às agressivas políticas de imigração imposta pelo presidente Donald Trump.

Brasileiros buscam estratégias para fugir de Trump, diz site Casamento arranjado é um dos esquemas que brasileiros usam para se proteger da deportação.

O site do jornal Folha de São Paulo publicou no domingo, dia 24, uma matéria retratando o medo de alguns brasileiros, nos Estados Unidos, em relação às agressivas políticas de imigração imposta pelo presidente Donald Trump. Na reportagem, o casamento falso é citado como uma das rotas de escape para fugir da deportação e se manter seguro no país.

Durante a sua campanha presidencial, Trump usou o combate à imigração ilegal como um dos principais pontos de seu governo. Ele prometeu construir um muro entre a fronteira do país com o México. Mas este plano nem foi preciso se concretizar para que a comunidade imigrante se sentisse ameaçada.

O endurecimento na aplicação das leis contra a imigração ilegal, forçou milhares de imigrantes, principalmente os brasileiros, a buscar alternativas para se proteger de uma possível deportação ou cair nas mãos dos agentes de imigração.

De acordo com dados divulgados recentemente pelo Brazilian Times, as prisões de imigrantes tiveram um aumento de 40% no último ano fiscal.

Ainda de acordo com a reportagem da Folha, alguns brasileiros se mudaram para alguns estados considerados “amigos de imigrantes”, que oferecem carteira de motorista, a qual serve como documento de identidade, substituindo o Passaporte. Com o documento americano, a pressão por parte dos policiais em relação ao status da pessoa fica menor.

Outra alternativa encontrada pelos brasileiros é mudar o Visto de Turista para Estudante e desta forma conseguem permanecer legal no país durante o período de estudos.

Mas de acordo com a reportagem, alguns brasileiros buscam um caminho mais perigoso e investem em casamentos falso, o que é considerado um crime federal.

Marta Childers, uma brasileira que trabalha como assistente jurídica na região de Atlanta (Georgia) há 16 anos, concedeu uma entrevista à Folha e afirmou que “todo mundo vive com medo, mas consegue sobreviver e não para de chegar imigrantes na região”.

A Georgia conta com uma das maiores comunidades brasileiras nos Estados Unidos, totalizando 100 mil brasileiros, a maioria indocumentada. De acordo com dados divulgados pelas autoridades norte-americanas, o estado foi o segundo que mais prendeu imigrantes no último ano fiscal, sendo um total de 13.551.

Um dos entrevistados pela equipe da Folha foi o Goiano Wilmar Moreira, 54 anos. Conforme a reportagem relata, ele adotou duas estratégias para fugir do cerco policial. Uma delas foi alugar um dormitório em Maryland, junto com três brasileiros. Desta forma conseguiu obter a carteira de motorista, pois a Georgia não emite este documento para quem está ilegal no país.

Ele teria ido ao dormitório apenas uma vez, mas conseguiu o comprovante de endereço, o que já foi o suficiente para a emissão da carteira que serve como documento de identificação, caso seja abordado por um policial.

A outra manobra foi mais arriscada – ele pagou para arrumar um casamento falso de sua esposa com um cidadão dos EUA, em 2013. De acordo com o goiano, ele pagou US$25 mil, mas o crime foi descoberto pela polícia e a mulher foi detida e acabou sendo forçada a “deixar o país voluntariamente”, há seis meses.

Ele disse que não se orgulha do que fez e que buscou o caminho errado. “Mas eu pensava apenas em sobreviver”, disse ele, que é proprietário de uma borracharia em Atlanta.

O medo se tornou geral depois que Trump impôs novas regras e qualquer imigrante indocumentado se tornou alvo dos agentes do Immigration and Customs Enforcement (ICE).

Fonte: Redação - Brazilian Times