Publicado em 15/01/2018 as 6:00pm

Brasileira é presa pelo ICE enquanto colocava criança em ônibus escolar

Quinta-feira, dia 11, foi mais um dia que mostrou a insensibilidade dos agentes do Immigraton...

Brasileira é presa pelo ICE enquanto colocava criança em ônibus escolar Carla Oliveira foi presa enquanto colocava os filhos no ônibus escolar.

Quinta-feira, dia 11, foi mais um dia que mostrou a insensibilidade dos agentes do Immigraton and Customs Enforcement (ICE). Eles prenderam uma brasileira na cidade de Weymouth (Massachusetts). A prisão aconteceu na frente da casa enquanto ela colocava uma criança em um ônibus escolar.

Conforme as informações divulgadas nas redes sociais, Carla de Oliveira teria sido detida após a agência de imigração receber uma denúncia anônima. A prisão abalou toda a família e amigos. O filho mais novo, que tem 10 anos de idade, chora bastante porque sempre estava próximo à sua mãe.

Carla, que é natural de Ipanema (Minas Gerais), trabalha como babá e a sua família não estava preparada. Diante disso, alguns amigos se reuniram e iniciaram uma campanha para arrecadar dinheiro para cobrir os custos de advogado e possíveis taxas judiciais que possam surgir.

A sobrinha de Carla, Débora Miranda, abriu uma página no site Go Fund Me e quem quiser colaborar pode acessar o link goo.gl/sfyKHw.

O objetivo da campanha é arrecadar a quantia de US$5 mil, sendo que o advogado cobrou US$3,500 pelos seus serviços. Até o fechamento desta edição havia sido arrecadado pouco mais de US$1,200.

Quem não conseguir fazer a doação online, pode entrar em contar com Débora através do telefone (857) 526-6227 para saber como ajudar.

O Brazilian Times conversou com Débora que disse que a tia foi levada para Bristol County Jail and House of Correction. “Ela (Carla) está nos Estados Unidos há nove anos”, fala ressaltando que a prisão aconteceu logo depois que a tia colocou uma das crianças que ela cuida no ônibus. “Quando ela voltou e estava entrando dentro do prédio, a polícia chegou e a chamou, perguntando qual o nome dela. O filho dela estava em casa, o pai dele também estava no local”, continua.

Débora relata que a tia não entrou no prédio para pegar os seus documentos porque ficou medo de envolver mais pessoas e foi com a polícia. “O dinheiro é para os custos e o advogado disse que tem chances dela sair e responder ao processo em liberdade. O valor será usado para pagar os custos advocatícios e o processo para evitar a sua deportação”, finaliza

Fonte: Redação - Brazilian Times