Publicado em 2/02/2018 as 10:00am

Trump quer acabar com Green Card para irmãos, pais e tios de imigrantes naturalizados

O presidente Donaldo Trump deixou claro em seu discurso, na terça-feira (30/01) que sua linha...

Trump quer acabar com Green Card para irmãos, pais e tios de imigrantes naturalizados Se Trump insistir com projeto, imigrantes naturalizados não poderão aplicar para parentes próximos.


O presidente Donaldo Trump deixou claro em seu discurso, na terça-feira (30/01) que sua linha dura contra a imigração ilegal continuará. Ele ressaltou que vai construir o muro em torno da fronteira do país como o México e que deportará o maior número de indocumentados da história norte-americana.

Mas um dos pontos que mais chamou a atenção foi ele ter falado que um de seus objetivos, agora, é colocar fim à “imigração familiar”.

Durante o discurso Trump apresentou sua nova estratégia migratória, acabando com o Green Card ou residência permanente para irmãos, pais e tios de imigrantes naturalizados.

A imigração baseado em família tem sido responsável de 60 a 70% de todos os Green Cards emitidos na última década, de acordo com o Instituto de Política de Imigração, um grupo de pesquisas baseado em Washington.

Além disso, ela tem sido por décadas o coração do sistema de imigração dos EUA, onde famílias tem se reunido facilitando assim adaptação rápida e melhor, além da possibilidade de criar comunidades.

Contudo, Trump disse em seu discurso, que somente maridos e menores de idades de imigrantes naturalizados serão permitidos a obter o Green Card, deixando assim o resto da família.

Trump justificou a proposta dele dizendo que essa ação é vital na luta contra o terrorismo e também para garantir que a “família nuclear” não seja criada.

O problema que os analistas dizem é que esta proposta será parte do pacote que o presidente pedirá em troca de salvar os quase 700 mil jovens do DACA que são indocumentados nos EUA.

O senador Dick Durbin, do estado de Illinois, principal negociador de imigração do Partido Democrata, disse que limitar a reunificação das famílias dividindo-as é incompatível com os valores do país.

Fonte: Redação - Brazilian Times