Publicado em 9/02/2018 as 6:00pm

FBI descarta envolvimento de imigrante na morte de patrulheiro da fronteira

O FBI divulgou nesta quarta-feira, dia 07, alguns relatos sobre a morte de um agente da Patrulha...

O FBI divulgou nesta quarta-feira, dia 07, alguns relatos sobre a morte de um agente da Patrulha de Fronteira dos Estados Unidos. De acordo com as informações, não há nenhuma evidência que a vítima tenha entrado em luta corporal ou sofreu agressão antes de morrer.

Os dados da autópsia chegam há dois meses depois que o presidente Donald Trump e outros legisladores republicanos usaram o homicídio para atacar a comunidade imigrante. Eles ligaram a morte, ocorrida em novembro de 2017, a uma “campanha” para promover a construção de um muro na fronteira com o México.

Os investigadores realizaram mais de 650 interrogatórios e envolveram mais de 37 patrulheiros no processo, entretanto, não encontraram nenhuma evidência definitiva do ataque, divulgou o FBI. As investigações continuarão e a recompensa de US$ 50 mil por qualquer informação que solucione o caso ainda está vigorando.

Até agora, nenhum dos mais de 650 interrogatórios, locais vasculhados ou evidências colhidas e analisadas resultaram em provas que apoiem a ocorrência de luta corporal, agressão ou ataque em 18 de novembro de 2017”, relatou o comunicado emitido pelo escritório de Emmerson Bule, agente especial do FBI em El Paso.

Rogelio Martinez, de 36 anos, morreu em decorrência de ferimentos sofridos enquanto ele e um parceiro respondiam à uma atividade suspeita na noite de 18 de novembro, nas proximidades de Van Horn, uma cidade no Texas próxima à fronteira com o México e a 175 Km de El Paso.

O parceiro de Martinez pediu ajuda pelo rádio, antes que ambos os agentes foram levados de helicóptero ao hospital, onde ele morreu poucas horas depois. O parceiro, que sofreu ferimentos na cabeça, foi liberado do hospital depois de muitos dias internados, mas disse aos investigadores que não conseguia se lembrar do ocorrido.

O comunicado do FBI também frisou que um atendente, que estava entre as pessoas entrevistadas pelos investigadores, atendeu a ligação telefônica do patrulheiro sobrevivente. Ele escreveu em seu diário de trabalho que “acha que os patrulheiros se chocaram contra um tubo de drenagem de terreno”.

O resultado da autópsia determinou que Martinez morreu em decorrência de poli traumatismo, mas a forma com que isso ocorreu não foi determinada.

Fonte: Redação - Brazilian Times