Publicado em 12/02/2018 as 12:00pm

Preso por pedofilia nos EUA é procurado pelo mesmo crime no Brasil

Adalberto Henriques de Freitas tem um caso igual e pendente em Contagem (MG).

Preso por pedofilia nos EUA é procurado pelo mesmo crime no Brasil Adalberto está detido e deverá retornar ao Trobunal Distrital de Quincy no dia 28.

O caso envolvendo Adalberto Henriques de Freitas, de 67 anos, morador em Quincy (MA), ganhou novos desdobramentos depois que o Blog do jornalista Jehozadak Pereira (MundoYes.com) publicou que ele também é acusado de pedofilia em Contagem (MG). Nos EUA, ele é acusado de ter molestado sexualmente duas meninas, de 10 e 12 anos, que passavam o dia na creche clandestina (sem licença) administrada pela esposa dele, Cileida de Freitas. Os abusos teriam acontecido quando ela descansava ou saía para comprar mantimentos para casa. O réu trabalhava em dois locais diferentes, numa padaria em Braintree (MA) e um restaurante em Hingham (MA) e retornava para casa às 2:30 da tarde, quando aproveitava a ausência da esposa para supostamente molestar as menores.

Segundo pessoas envolvidas no caso nos EUA, Adalberto teria tocado na genitália das meninas, tirado as roupas delas, forçado que elas tocassem em seu órgão genital e as colocava sentadas em seu colo com o intuito de gratificação sexual. Algumas mães de crianças que passaram pela creche e, mesmo que suas filhas não teriam sido abusadas pelo acusado, também expressaram espanto e revolta.

“É difícil aceitar este tipo de atitude e de atos. Estou profundamente indignada e engasgada com esta situação. Como pode um monstro destes abusar de crianças lindas e puras. Desde que descobriram tudo, eu não consigo deixar de chorar o tempo todo. Minha filha ficou lá um curto período, pois eu não gostei do ambiente e a tirei de lá, e ele não praticou nada contra ela. Não me sinto aliviada não. Sinto um vazio enorme pelas outras crianças que foram abusadas e por seus pais. O que será do futuro destas crianças?”, desabafou uma mãe ao Blog.

No Brasil, Freitas estaria sendo processado judicialmente tendo como base os artigos nº 2014 e 244 do Decreto de Lei 2.848 de 1940: Atos libidinosos e atentado violento ao pudor contra menores de 14 anos. Tal processo estaria suspenso desde 2013; uma vez que ele não está presente no Brasil, portanto, tornando-se um foragido.

Algumas famílias das crianças abusadas estariam sendo ameaçadas por um parente próximo do réu que é cidadão americano naturalizado. O indivíduo estaria se aproveitando do fato de que alguns pais das vítimas estão em situação migratória irregular nos EUA para tentar coagi-las.

Na terça-feira, 30 de janeiro, Adalberto Henrique de Freitas, de 62 anos, natural de Conselheiro Pena (MG), compareceu à Corte Distrital de Quincy (MA). Ele é acusado de ter molestado sexualmente duas meninas de 10 e 12 anos e, durante a audiência, o juiz determinou a fiança de US$ 50 mil. Até à tarde de quinta-feira (1), o brasileiro não havia pagado a quantia para responder ao caso em liberdade.

“O Departamento de Educação Básica & Cuidados (EEC) recebeu a denúncia da existência de uma possível creche sem licença operando na 10 Copeland Street, em Quincy, e está investigando o assunto com o Departamento de Crianças & Famílias. As famílias e o público em geral são encorajados a qualquer hora contatar o EEC para verificar se um programa de cuidado infantil está devidamente licenciado”, disse Kathleen Hart, porta-voz do departamento.

Durante o pedido de fiança, o promotor público classificou as atividades da creche como “ilegais”. A lei estadual exige que qualquer pessoa que cuide regularmente de crianças e que não possuam parentesco direto com elas obtenha uma licença.

O réu é acusado de ter atacado as meninas em pelo menos 10 ocasiões. Os menores relataram que o suspeito teria feito ameaças a eles e suas famílias. Além disso, ele teria “alertado” que as vítimas se envolveriam em problemas se contassem a alguém o que estava acontecendo, segundo o boletim de ocorrência policial (BO). Os ataques foram denunciados ao Departamento de Polícia de Quincy no escritório do “Norfolk County Advocates for Children”, em Foxboro (MA), na segunda-feira, 29 de janeiro. O réu deverá retornar ao tribunal no dia 28 de fevereiro.

Fonte: Redação - Brazilian Times

Top News