Publicado em 13/06/2018 as 8:00pm

Brasileiros são presos em Porto Rico ao tentarem entrar nos EUA

Gilmar Silva Pinheiro e Darci Machado Gontijo já haviam sido deportados em fevereiro de 2018.

Brasileiros são presos em Porto Rico ao tentarem entrar nos EUA Eles foram presos na Alfândega.

Funcionários aduaneiros e do Departamento de Proteção de Fronteiras (CBP) descobriram dois brasileiros que tentavam embarcar em um voo doméstico do Aeroporto Internacional Luís Muñoz Marin com destino a Charlotte, na Carolina do Norte. Na sexta-feira (1), Gilmar Silva Pinheiro, de 42 anos, e Darci Machado Gontijo, de 34 anos, compareceram perante o juiz Bruce J. McGiverin. Eles foram acusados de violar o Título 8 do Código dos Estados Unidos, Seção 1326, tentarem reentrar no país após uma remoção ou deportação anterior.

Durante a passagem pela Alfândega do aeroporto, Pinheiro e Gontijo apresentaram aos agentes do CBP passaportes brasileiros e nenhum outro documento que comprovasse o status legal de ambos nos EUA. Eles tentavam embarcar em um voo rumo à cidade de Charlotte (NC).

A segunda inspeção revelou que o Departamento de Imigração (ICE) deportou Pinheiro em fevereiro de 2018 em Albany, Nova York. Já Gontijo, foi deportado em fevereiro de 2018 na Carolina do Sul.

A Procuradora Especial Christina Caraballo será encarregada do caso através da Procuradoria dos EUA no Distrito de Porto Rico. Se considerados culpados, os dois brasileiros poderão ser sentenciados a até 2 anos de prisão, multa ou ambos.
Todos os réus são considerados inocentes até que sejam considerados culpados por um tribunal.

A missão do CBP é facilitar as viagens, mantendo os mais altos padrões de segurança para aqueles que vivem nos EUA e os visitantes no país. Durante somente 1 dia em 2017, os agentes da CBP registraram mais de 1 milhão de viajantes chegando em aeroportos, portos marítimos ou travessias na fronteira.

A CBP é subordinada ao Departamento de Segurança Interna (DHS) que é encarregada da administração, controle e proteção das fronteiras do país. O órgão é responsável por manter o país protegido de terroristas e armas perigosas; ao mesmo tempo em que faz cumprir centenas de leis nos EUA.

Fonte: Redação - Brazilian Times