Chegou o Classificado do Brazilian Times. Divulgue ou busque produtos e serviços agora mesmo!

Acessar os Classificados

Publicado em 8/02/2019 as 8:00am

Sentença de prisão perpétua de brasileira que matou o marido será divulgado hoje

Depois de um longo período de processos judiciais e julgamento, a justiça dos Estados Unidos...

Depois de um longo período de processos judiciais e julgamento, a justiça dos Estados Unidos determinou que a brasileira Claudia Hoerig é culpada pelo assassinato do seu marido, o Major da Reserva da Força Aérea dos Estados Unidos, Karl Hoerig, de Newton Falls, em 2005. Durante uma audiência realizada no Tribunal do Condado de Trumbull, em Ohio, ficou determinado que nesta sexta-feira, dia 08, será publicada a pena.

A sentença esperada para réus condenados por assassinato agravado em Ohio é prisão perpétua sem liberdade condicional. Mas isso só será confirmado em 8 de fevereiro, quando o juiz Andrew Logan, que presidiu o julgamento, anunciará a decisão.

Apesar da Lei de Migração Brasileira determinar que pessoas extraditadas só podem ser condenadas a sentenças que existam no Brasil, antes de Cláudia ser enviada aos EUA, as autoridades brasileiras cassaram sua cidadania brasileira, deixando-a apenas com a norte-americana.

Cláudia trabalhava como contadora nos Estados Unidos e em 1999, já divorciada de [seu primeiro marido], decidiu concluir o processo de naturalização como cidadã deste país. A medida facilitaria o desempenho profissional da brasileira, que teria aumentado sua renda cinco vezes depois de sua mudança de nacionalidade, segundo o que seus advogados disseram no processo brasileiro da perda de cidadania brasileira.

“O que Claudia não sabia quando tomou essa decisão é que, ao assumir a cidadania americana, ela estaria necessariamente desistindo do brasileiro”, segundo as autoridades.

O Promotor do Condado de Trumbull, Dennis Watkins, recusou-se a comentar se um acordo com o Brasil limitará a sentença que ela pode receber, dizendo que ele discutirá essas questões após a sentença ser divulgada.

No Brasil a pena máxima para este caso é de 30 anos.

Fonte: Redação Braziliantimes