Chegou o Classificado do Brazilian Times. Divulgue ou busque produtos e serviços agora mesmo!

Acessar os Classificados

Publicado em 9/03/2019 as 2:00pm

Bebês imigrantes são libertados de centro de detenção no Texas

Fevereiro registra número recorde de pessoas cruzando a fronteira sem autorização: 76 mil.

Bebês imigrantes são libertados de centro de detenção no Texas Detenção de crianças imigrantes gerou polêmica.

Agentes do Serviço de Imigração e Aduanas dos Estados Unidos (ICE, na sigla em inglês) liberaram ontem 12 crianças de um centro de detenção em Dilley, no Sul do estado do Texas, após defensores de direitos dos imigrantes denunciarem as condições do local, citando água poluída, escassez de comida para bebês e falta de acompanhamento médico. Paralelamente, em Washington, o comissário de Aduanas e Proteção de Fronteiras, Kevin K. McAleenan, anunciou que, pela quarta vez em cinco meses, o número de famílias migrantes cruzando a fronteira dos EUA com o México bateu recordes. Em fevereiro foram mais 76 mil imigrantes cruzando as fronteiras sem autorização, um número superior ao dobro do registrado no mesmo período em 2017.

Num e-mail enviado na segunda-feira, o ICE reconhecia que 16 bebês com menos de 1 ano estavam retidos no Centro Familiar Residencial do Sul do Texas, em Dilley. A situação dos quatro bebês que não foram liberados ainda é desconhecida.

“Todas as mães com quem falei me disseram que seus filhos apresentavam sinais de doenças”, afirmou à rede CBS KatyMurdza, coordenadora de um grupo de defesa dos imigrantes ilegais, que trabalha em Dilley há dois anos e raramente via bebês no centro de detenção até poucas semanas atrás. — O ICE costumava ter uma “regra não-oficial”, de que mães com bebês conseguiriam driblar o processo tradicional.

Segundo Katie Shepherd, do Conselho Americano de Imigração, imigrantes são mantidos em centros de detenção até que autoridades determinem se eles são ou não uma ameaça à comunidade ou se correm o risco de fugir.

“É perturbador e absurdo que o ICE diga que precisa checar se um bebê de cinco meses representa um perigo ou corre o risco de fugir”, afirmou Shepherd.

Num e-mail à CBS News, um agente do ICE afirmou que o aumento de bebês detidos era resultado do aumento de pessoas cruzando a fronteira. “Como o número de famílias tentando entrar nos EUA aumentou, aumentou também o número de famílias com crianças, incluindo bebês”, afirmou o agente. De acordo com o e-mail, imigrantes detidos recebem “amplo atendimento médico, incluindo a assistência de enfermeiros, terapeutas, médicos, dentistas e acesso à emergência 24 horas”.

“Essa informação não é corroborada pelos pais que ficaram detidos em Dilley”, afirmou Colleen Kraft, ex-presidente da Associação Americana de Pediatras. “Eles vão à clínica e ouvem que devem voltar em outro momento”.

Fonte: Redação BrazilianTimes