Publicado em 13/01/2009 as 12:00am

O Presidente eleito Barack Obama reúne-se com Felipe Calderón

O Presidente do México, Felipe Calderón e Barack Obama reuniram-se na segunda (12) para um almoço de trabalho no Instituto Cultural Mexicano en Washington, onde analizaram dois problemas críticos que desafiam os dois países: narcotráfico e imigração

O Presidente do México, Felipe Calderón e Barack Obama reuniram-se na segunda (12) para um almoço de trabalho no Instituto Cultural Mexicano en Washington, onde analizaram dois problemas críticos que desafiam os dois países: narcotráfico e imigração.

Eles consideram o tráfico de drogas e seus cartéis como uma ameaça à segurança interna dos EUA e do México, mas mesmo que coincidam em que devam existir condições para a legalização de imigrantes indocumentados, parece ser difícil que o novo governo Obama possa abordar uma reforma imigratória com a rapidez que Calderón imagina. Estados Unidos e México compartilham uma fronteira comum de 2000 milhas por onde passou a maioria de 12 milhões de indocumentados que vivem aqui. Desses, mais de 8 milhões são de origem mexicana. Calderón deseja obter ajuda suficiente para gerar mais empregos no México e evitar a fuga de seus cidadãos em busca de melhoria econômica nos EUA.

O Departamento de Justiça americano fez, recentemente, pronunciamentos sobre ambos assuntos. Num deles, o discurso era de que os indocumentados submetidos a processo de deportação não têm direito a advogados do governo e que os cartéis mexicanos da droga eram a principal ameaça ao crime organizado nos Estados Unidos. Da mesma forma, Stephen Dodley, o assessor de segurança nacional do presidente George Bush, afirmou que a violência e o narcotráfico, combinados com grupos terroristas, ameaçam a estabilidade democrática no México. 

As mortes relacionadas com o tráfico de drogas duplicaram no ano passado no México, onde Calderón mobilizou milhares de soldados para reforçar os trabalhos da polícia de segurança pública. O escritório de Calderón afirmou, no domingo, 11, na capital mexicana, que ele abordaria com Obama um tratamento integral do problema de imigração. O mesmo porta-voz indicou também que “ele buscará, em particular, promover melhores condições para os mexicanos que moram nos Estados Unidos, sobre a base de seus direitos e reconhecimento pleno do aporte econômico, social e cultural que realizam no país”.

Durante a campanha, Obama falou da possibilidade de "renegociar'' o tratado de livre comércio com o México, vigente há 14 anos e inserir alguns aspectos que promovam prosperidade aos trabalhadores mexicanos radicados nos EUA.

O presidente mexicano encerrou as atividades do dia com entrevistas no Congresso, com membros do comitê de Relações Exteriores do Senado e com a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi. Os dois fizeram um pronunciamento aos repórteres presentes, mas não aceitaram responder perguntas. Nancy Pelosi disse que Calderón e Obama tinham grandes desafios pela frente e ela, como representante da Califórnia, cuja herança mexicana é notável,  afirma que quando se tratar de debater os temas comuns “o faremos com o maior respeito às posições de cada um”.

Fonte: (The Associated Press, com ANBT)