Publicado em 21/01/2009 as 12:00am

Milhões acordam cedo para homenagear Obama

Quando chegou a madrugada, por volta das 3 e meia da manhã, eles começaram a lotar o "Mall", deixando congestionados os acessos ao transporte local de metrôs e ônibus

Quando chegou a madrugada, por volta das 3 e meia da manhã, eles começaram a lotar o “Mall”, deixando congestionados os acessos ao transporte local de metrôs e ônibus, que os despejavam na área de segurança em volta do Capitólio.  Poucas horas antes do juramento do presidente eleito Barack Obama, milhares se comprimiam em seus cobertores, sacos de dormir, casacos e japonas, enquanto outros esperavam em filas imensas a hora de serem inspecionados.

Muitos atrasos foram causados por uma decisão de última hora da polícia e da segurança pessoal do presidente, que decidiram por fechar algumas ruas, mudaram as entradas para o centro de Washington e ainda tentavam manejar a entrada dos ônibus locais e fretados na cidade.  Engarrafamentos imensos fizeram o trânsito parar, fazendo com que muitos passageiros descessem e fizessem o resto do trajeto a pé.

Alguns casos de hipotermia foram relatados pelos enfermeiros de plantão em cada esquina, assim como a Cruz Vermelha informou que por volta das 5 da manhã já havia ajudado a 8 pessoas que se perderam de familiares.

De qualquer forma, para esses “early birds”, foi difícil conseguir um lugar na primeira fila. Por volta das 4 e meia da manhã, o metrô da Linha Vermelha estava lotado como numa “rush hour”. Os estacionamentos das estações suburbanas viraram um pesadelo, pois centenas não conseguiram espaço para pararem seus carros, na esperança de chegarem a downtown de metrô.

“A energia nas ruas é algo que nunca tinha visto antes na minha vida”, disse Nancy Wigal, escritora que mora na Praça  Mount Vernon, no coração da capital. Ela também disse: “As pessoas estão caminhando mais leves, sentindo-se mais altas e cumprimentando-se com alegria. Acho que isso mostra esperança. Parece com felicidade compartilhada”.

Enquanto isso, Barack Obama preparava-se para colocar o seu pé na história. Ele e sua esposa, Michelle, sairam cedo da casa de hóspedes da Casa Branca, a Blair House, e foram para a Igreja de São João para orações. Mais de 2 milhões de pessoas compareceram a Washington para assistí-lo fazer seu juramento às 12 horas em ponto, como o primeiro presidente negro do país.

 

Na Pensylvannia Avenue

Ao saírem da Igreja, por volta das 9:45 da manhã, foram ovacionados pelo público e entraram na limusine “Cadillac One” para o cafézinho histórico na Casa Branca, junto ao vice-presidene Biden e esposa e presidente Bush e esposa.  Lá fora, o Coral dos Boys and Girls de San Francisco, California, esquentava o público com várias canções. Em seguida, foi a vez da Banda dos Fuzileiros Navais.

Depois do café, os presidentes fizeram um stroller pela avenida até chegaram ao Capitol Hill para o juramento. Como foi profetizado por Martin Luther King, que haveria um dia em que todos se juntariam, até parecia que esse é o dia. 

 

Chegou o grande momento de Barack Obama

                Ele e o Presidente Bush chegaram ao Capitol Hill para o juramento por volta das 11:35. Os ex-presidentes Clinton, Carter e Bush pai, acompanhados das esposas, juntaram-se aos mais de 2 milhões de pessoas que comparecem à posse.

Em seu primeiro discurso como presidente, o 44o. da história americana, Barack Obama comentou sobre a situação no Iraque e também no Afeganistão. “Nós vamos deixar o Iraque com responsabilidade”, afirmou ele. Obama lembrou ainda que “somos uma nação de cristãos, muçulmanos, judeus, hindus – e ateus”. “Para a nação muçulmana, temos um novo caminho adiante, baseado em interesse mútuo e respeito mútuo”, afirmou ele. “Para os líderes espalhados pelo mundo (…), saibam que as pessoas os vão julgar pelo que vocês podem construir e não pelo que podem destruir”, disse o novo presidente dos EUA, que prometeu “dar as mãos” a todos que quiserem.

Antes mesmo de prestar juramento, Obama se tornou presidente oficialmente, seguindo o que diz a Constituição do país. Ele prestou juramento às 12h06 locais (15h06 de Brasília) com a mão sobre a mesma Bíblia usada em 1861 por Abraham Lincoln.

Ele repetiu um breve texto previsto na Constituição. "Eu, Barack Hussein Obama, juro solenemente cumprir fielmente as funções de presidente dos Estados Unidos e, na medida de minhas possibilidades, salvaguardar, proteger e defender a Constituição Estados Unidos".

 

Obama até titubeou durante a leitura do texto e sorriu.

Apesar da polêmica, em que ateus pediram que não houvesse menções religiosas no juramento, ele incluiu o "so help me God“ (com a ajuda de Deus, em tradução livre), que encerra o juramento desde o século XVIII.

 

Mais detalhes do discurso

Obama abriu seu discurso inaugural como presidente se dizendo gratificado e humilde pela confiança dos cidadãos do país. Ele agradeceu o serviço de Bush como seu antecessor e pela cooperação no processo de transição.

Ele lembrou as crises que o país vive, mencionou que os EUA estão envolvidos em guerras contra o ódio e a violência, e os problemas econômicos. "Hoje eu digo que os desafios que encaramos são reais. Eles são sérios e eles são muitos. Eles não vão ser vencidos facilmente, ou em um curto período de tempo. Mas sei disso, América, eles vão ser vencidos", disse. "Neste dia, nos reunimos porque escolhemos esperança em vez de medo, unidade de propósito em vez de conflito e discordância", continuou, lembrando o tema da sua campanha durante as eleições.

Após um formal abraço e adeus ao presidente George W. Bush , que embarcou num helicóptero, e um almoço com líderes do congresso, Obama e o vice presidente Biden passaram de limusine pela Pennsylvania Avenue até a Casa Branca, onde assistiram à parada oficial da inauguração.

Fonte: (Da redação)