Publicado em 6/07/2009 as 12:00am

EUA e Rússia fecham acordo para redução do arsenal nuclear

Meta é ter um máximo de 1.675 ogivas 7 anos após tratado entrar em vigor. Rússia libera que tropas dos EUA cruzem o país rumo ao Afeganistão

Os EUA e a Rússia chegaram nesta segunda-feira (6) a um acordo de intenções para cortar o número de ogivas nucleares para entre 1.500 e 1.675, em um prazo de sete anos após a entrada em vigor de um novo tratado de redução de armas.

O acordo prévio foi fechado durante conversações entre o presidente dos EUA, Barack Obama, e o da Rússia, Dimitri Medvedev, no Kremlin.

Mas, apesar do acordo, as discrepâncias entre os dois países sobre o projeto do escudo antimísseis americano na Europa persisteam.

Depois do anúncio do acordo, Medvedev e Obama deram entrevista conjunta em que também anunciaram um acordo para que a Rússia permita o trânsito aéreo de tropas americanas sobre seu território rumo ao Afeganistão.


Rússia e EUA possuem cada um entre 2.000 e 3.000 ogivas mobilizadas - ou seja, prontas para uso imediato. Os atuais acordos limitam em 1.600 o número de vetores.

Partindo "deste entendimento", os negociadores russos e americanos darão continuidade às conversações para tentar concluir um novo tratado sobre a redução dos arsenais nucleares para suceder o histórico Start, que expira em 5 de dezembro.

Washington e Moscou detêm juntos mais de 90% do número total de bombas atômicas existentes.

O acordo de desarmamento era considerado a espinha dorsal dos esforços para a melhoria das relações entre os dois países, que foram consideravelmente desgastadas durante a presidência de George W. Bush. 

Outro tema que gera discórdia é o polêmico projeto do escudo antimísseis americano na Europa, que há meses azeda as relações entre Moscou e Washington.

"Não estamos de acordo ainda sobre a avaliação das consequências de tal ou qual decisão da administração americana; para nós, o tema relativo ao terceiro componente de seu escudo antimísseis continua aberto", afirmou o vice-ministro russo das Relações Exteriores Serguei Riabkov, referindo-se ao desejo americano de instalar o escudo na Polônia e na República Tcheca. 

A Rússia é contra a instalação de elementos do escudo antimísseis no Leste Europeu, por acreditar que o projeto americano prejudica sua segurança. Washington, por sua vez, afirma que o objetivo do projeto é defender-se da ameaça representada por países como o Irã.

Fonte: (G1)